Suíça reforça seus investimentos na Europa

Vista aérea de Paradeplatz, Zurique, famosa pelas instituições financeiras que têm lá sua sede. © Keystone / Gaetan Bally

A quantidade de investimento direto suíço (IDE) nos países vizinhos, e mais especificamente na Europa, vem aumentando de forma constante há vários anos e atingiu um nível sem precedentes na França em 2019. 

Este conteúdo foi publicado em 18. junho 2020 - 17:26

"A França reforçou sua atratividade para os investidores estrangeiros em 2019, em particular os suíços". Assim saudou a embaixada da França na Suíça a publicação do Balanço de 2019 de investimentos Internacionais na França. O relatório anual, publicado no início de junho, mostra que o investimento suíço na França nunca foi tão alto.

No ano passado, 76 novas decisões de investimento anunciadas na França vieram de empresas suíças (+6% em relação a 2018), tornando a Suíça o quinto maior financiador de projetos.

Conteúdo externo

É claro que a pandemia de Covid-19 mudou entretanto o panorama econômico, mas de acordo com o relatório, mais de dois terços de todos os projetos listados no balanço da França para 2019 já foram concluídos. Alguns dos investimentos restantes poderiam "ser atrasados ou mesmo [...] interrompidos ou suspensos permanentemente", admitem, porém, os analistas.

França, o principal destino europeu de IDE em 2019

De modo geral, a França se saiu bem no ano passado. Segundo um estudo da filial alemã da Ernst & Young (EY), publicado no final de maio, a França registrou o maior número de novos projetos de investimento na Europa, à frente da Grã-Bretanha e da Alemanha. O número de projetos anunciados na Europa aumentou 1% para mais de 6.400, o segundo maior valor já medido, de acordo com a consultoria. A EY estima que, desde então, "25% foram adiados e 10% cancelados".

End of insertion

Quanto dinheiro a Suíça tem em ativos nos países vizinhos?

Estes números referem-se apenas às transações do ano passado. Em termos de ações de IDE, ou seja, o valor total investido, a Suíça é o quarto maior fornecedor de investimento na França. No final de 2018, quando as últimas estatísticas oficiais estavam disponíveis, o montante total de IDE suíço na França excedeu 81 bilhões de euros (CHF 87 bilhões), de acordo com o Banque de France. Segundo a Business France, mais de mil empresas francesas, empregando um total de mais de 265 mil pessoas, são controladas por um investidor suíço.

Conteúdo externo

A importância da Suíça como provedor de investimentos também pode ser vista nos outros países com os quais ela compartilha uma fronteira. No final de 2018, a Suíça era o quarto maior investidor estrangeiro na Alemanha (EUR 89,5 bilhões investidos), o quinto maior na Áustria (EUR 11 bilhões) e o sexto maior na Itália (EUR 20 bilhões), de acordo com números fornecidos por seus respectivos bancos centrais. O aumento no valor das ações de IDE suíças tem sido constante nesses quatro países há pelo menos cinco anos. 

Conteúdo externo

Qual é a tendência global?

Essa evolução reflete o aumento global do montante de investimento fora das fronteiras da Suíça. No final de 2018, o total de ações de investimento suíço direto no exterior era de CHF 1.467 bilhões, um aumento de 5% em relação ao ano anterior e de quase 40% desde 2013, segundo dados do Banco Nacional Suíço (SNB).

O aumento foi mais acentuado na Europa (+70%), particularmente em países com numerosas holdings como Chipre, Irlanda (+400% em cinco anos), Holanda (+150%) e Luxemburgo.

Os Estados Unidos, Luxemburgo e Holanda são, há vários anos, os três principais países receptores do investimento direto suíço. Juntamente com a Irlanda e o Reino Unido, esses países foram responsáveis por mais de dois terços de todo o IDE suíço em 2018.

Conteúdo externo

As ações de investimento direto da Suíça no exterior também são relativamente altas na comparação internacional. A Suíça ocupa a 10ª posição no ranking dos maiores investidores diretos do mundo no Fundo Monetário Internacional (FMI), principalmente devido ao fato de muitas das sedes dos principais grupos internacionais estarem localizadas no país.

Decréscimo maciço do IDE esperado devido à pandemia

Os fluxos globais de investimento estrangeiro direto experimentarão "uma queda dramática" neste ano, mas também em 2021, devido à pandemia de Covid-19, advertiu a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) em um relatório publicado na terça-feira. A organização espera uma queda de 40% em relação aos níveis de 2019, o que colocaria o montante global de transações abaixo do da crise de 2008. 

Tanto os anúncios de novos projetos de investimento quanto as fusões e aquisições transfronteiriças já caíram mais de 50% nos primeiros meses de 2020, em comparação com o ano passado. Espera-se que as economias em desenvolvimento experimentem o maior declínio no IDE. Entre os países desenvolvidos, espera-se que os fluxos de IDE para a Europa caiam de 30-45%

End of insertion
Partilhar este artigo