Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Jovem imigração portuguesa A vida de uma cientista portuguesa no coração da Basileia

A portuguesa Joana Pinto Couto Silva saiu do Porto para brilhar na Suíça. Conquistando um lugar de destaque entre os jovens talentos da ciência no país, a bióloga participou de uma pesquisa pioneira da Universidade de Basileia, que revelou que hormônios de stress estão diretamente relacionados a metástases do câncer de mama. Atualmente trabalhando no Instituto Novartis para Pesquisa Bio-Médica, NIBR, a cientista conta à swissinfo como é sua vida na Basileia.

Mulher em laboratório

"É um momento muito interessante para se fazer ciência e descobrir novos fármacos", afirma Joana Pinto Couto Silva.

(swissinfo.ch)

Ela é uma filha única de pais professores, nascida, crescida e formada entre o Porto e Vila Nova de Gaia. Curiosa e interessada, assim se apresenta ao primeiro olhar a pesquisadora Joana Pinto Couto Silva. Tenho a oportunidade de a encontrar em uma torre da empresa farmacêutica Novartis, no bairro de Klybeck, às margens do Reno. É um dia ensolarado e a bióloga me recebe com um sorriso jovial de generosa afetuosidade. Joana está grávida e o bebê primogênito deverá nascer no final de maio.

A PhD em bio-medicina se mostra radiante com o momento que vive aos 35 anos. Não apenas a maternidade é um motivo de alegria, mas também o reconhecimento pelo trabalho científico. Em março a renomada revista Nature publicou uma pesquisa pioneira da qual ela participou. O estudo estabeleceuLink externo a relação entre glicocorticóides e metástases de câncer de mama.

O artigo foi elaborado pela equipe do professor Mohamed Bentires-Alj, do qual Joana foi colaboradora de 2013 a 2018, enquanto pós-doutoranda da Universidade de Basileia (UnibasLink externo), e do Instituto Friedrich Miescher de Pesquisa Bio-Médica (FMILink externo). O instituto é uma organização mista que engloba pesquisas interdisciplinares da Unibas e do Instituto Novartis para Pesquisa Bio-médica (NIBRLink externo).  

Modesta, Joana minimiza a importância da sua participação nessa descoberta e ressalta que sua atuação foi mais significativa em outras pesquisas já publicadas e ainda pendentes, como o estudo da enzima mutante PIK3CA ou a delimitação de gatilhos para mudanças na identidade celular nas glândulas mamárias.

Independentemente do debate sobre qual contribuição foi a mais significativa, é incontestável que sua competência a conduziu à atual posição: chefe de laboratório no NIBR. Desde 2018 ela lidera uma equipe de três pessoas, cujo objetivo é desencadear descobertas de novos alvos, que resultem em trilhas de pesquisa de medicamentos contra o câncer.

Ser cientista 

"É um momento muito interessante para se fazer ciência e descobrir novos fármacos. Começamos a compreender novas formas de atacar alvos que há até pouco tempo atrás estavam fora de questão por serem muito difíceis de serem inibidos. Houve uma mudança na forma de encarar novos alvos terapêuticos, em parte graças aos recentes desenvolvimentos tecnológicos e científicos na area da manipulação genética e novas modalidades para atacar proteínas oncogênicas. Estamos numa era onde basicamente o céu é o limite", avalia.

Joana não está apenas na hora certa, mas também no local certo: o coração da indústria farmacêutica mundial. A NovartisLink externo é um gigante com capacidade de custear investimento de impacto. Somente em 2018, a empresa aportou US$ 9,1 bilhões em pesquisa e desenvolvimento, contabilizando vendas líquidas na ordem de US$51,9 bilhões. A unidade de oncologia respondeu por 38% disso (US$ 13,4 bilhões da receita). 

"No meio acadêmico é muito fácil se focar, entrar em uma bolha e esquecer qual é o propósito de tudo. Na indústria nunca esquecemos o propósito. Há o objetivo claro de desenvolver medicamentos que vão ajudar pacientes. A responsabilidade é finalmente produzir algo", diz.

A motivação vem também de uma tragédia familiar. O irmão da mãe faleceu abruptamente em 2012. Entre o diagnóstico e o fim passaram-se apenas três semanas. "Meu padrinho era muito próximo e teve um câncer catastrófico, isso fortaleceu ainda mais meu propósito de persistir pesquisando", conta.  

Diversidade

Sendo portuguesa, jovem e mulher, Joana carrega consigo a emblemática da diversidade, um valor também muito presente na empresa. "No começo é bastante assustador perceber que sou apenas uma pequena peça em um grande quebra-cabeças", conta, se referindo aos mais de 13 mil trabalhadores do conglomerado na Suíça.

"Tenho pessoas na minha equipe que são de diversas nacionalidades, idades e formações educacionais", conta. "Estando ciente das diferenças, você aprende que não pode ser controlador sobre a maneira como as pessoas trabalham. Diversidade enriquece a equipe e quanto mais diversa ela for for, mais rapidamente avançará"  acredita.      

Saber lidar com a diversidade sem fronteiras foi algo que ela aprendeu em Nova Iorque e no Porto, onde concluiu seu PhD. Joana estudou de 2008 a 2012 no renomado núcleo de pesquisa oncológica Memorial Sloan-Kettering Cancer CenterLink externo e no Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade de Porto (IPATIMUPLink externo). 

Dos Estados Unidos a pesquisadora recorda: "Todos os dias tínhamos grandes investigadores visitando e palestrando, então havia muita exposição à comunidade científica internacional".

Família bi-nacional

Aqui na Suíça, Joana é uma dentre os mais de 266 mil portugueses que adotaram a confederação como país de residência. Com a maternidade, questões de identidade e pertencimento tem rondado os pensamentos dela.

Campus Novartis O templo do aprendizado

Escritórios de empresas não costumam se destacar pela arquitetura arrojada. Porém esse não é o caso do campus da multinacional farmacêutica suíça ...

"Ainda não estou considerando ativamente me candidatar para a cidadania suíça, mas é algo que poderei pensar quando me tornar apta. Quero que meus filhos sejam educados como suíços e portugueses. Naturalmente será mais fácil para eles serem suíços, porque estarão vivendo aqui, mas falarei com eles apenas em português".

A cientista é casada com o pesquisador suíço Adrian Britschgi, que também é especializado em oncologia e pesquisador na indústria farmacêutica.  Eles se conheceram no laboratório do FMI e foi o acolhimento da família dele que a fez chamar a Suíça definitivamente de "lar". 

"Por um tempo, é claro, eu sonhava em retornar ao Portugal. Mas agora me sinto também um pouco suíça. Aconteceu uma transformação há cerca de dois anos atrás. Eu já estava aqui há quatro anos e de repente comecei a perceber que esse era o meu lar. Foi uma sensação ao mesmo tempo interessante e estranha, mas devo isso ao meu marido, a sua família e aos amigos que ganhei aqui".

O oposto também é verdadeiro."Agora o meu marido está considerando se candidatar para cidadania portuguesa", diz. "Ele realmente gosta do país, das pessoas e até fala em comprar uma casa lá". 

Como a jovem matriarca define sua família? "Somos bi-nacionais, permanecemos tão conectados à cultura suíça quanto à portuguesa!". 

Perfil

2018: Chefe de Laboratório no Instituto Novartis de Pesquisa Biomédica, Basileia

Pesquisa:

2013-2018: pós-doutoranda no Instituto Friedrich Miescher de Pesquisa Biomédica (FMI) e Departamento de Biomedicina da Universidade de Basileia

Graduação:

2008-2012: PHD em Biomedicina Humana na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal e Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, New York, EUA

2002-2006: licenciatura em Biologia na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.