Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Lançada a campanha contra adesão à ONU

(swissinfo.ch)

Adiantando-se à campanha do governo, a ser lançada terça-feira, os anti-ONU explicaram que a Suíça não deve aderir às Nações Unidas para preservar a neutralidade. Os eleitores vão decidir dia 3 de março.

Em nome da defesa de neutralidade, o comitê suíço contra a adesão à ONU "política" lançou a campanha contra "colocar o país sob tutela".

Estrutura anti-democrática

A campanha é coordenada pela Associação por uma Suíça independente e neutra (Asin), cuja figura principal é o deputado federal Christoph Blocher, líder da direita nacionalista.

O comitê contra a adesão tem um orçamento de 2 milhões de francos (l,3 milhão de euros) para a campanha. Ele considera a estrutura política da ONU, especialmente o Conselho de Segurança, "profondamente antidemocrática".

"Os interesses econômicos e estratégicos dos membros permanentes do Conselho de Segurança paralizam a capacidade da organização de atingir seus objetivos fundamentais", afirma o comitê anti-ONU.

Eleitores votaram contra em 1986

A Suíça já faz parte das principais organizações especializadas da ONU e contribui com 470 milhões de francos ( € 305 milhões) por ano para o orçamento das Nações Unidas. No entanto, o país não é membro e a adesão custaria mais 70 milhões de francos por ano, nos cálculos do governo.

Se aderir, a Suíça deverá aplicar "medidas repressivas, sansões e boicotes decididas pelo Conselho de Segurança e isso reduziria massiçamente a soberania do país", afirma o comitê contra a adesão.

Amanhã, será a vez do governo federal apresentar seus argumentos ao lançar oficialmente a campanha pela adesão. O povo decidirá dia 3 de março. Na última votação do gênero, em 1986, o eleitorado rejeitou a adesão à ONU.

swissinfo com agências

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×