Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Libaneses discutem crise do país na Suíça

Vista aérea de Mont-Pèlerin, oeste da Suíça, onde os libaneses se reuniram.

Com o apoio do Ministério das Relações Exteriores, ocorreu na Suíça a segunda reunião inter-libanesa, de maneira quase secreta, em Mont-Pelerin, um vilarejo perto de Lausanne, oeste da Suíça.

Ao final do encontro que durou três dias, foi redigido um comunicado comum reafimando o desejo de todas as partes de defender a independência e a especificidade do Líbano no Oriente Médio.

Dividido por forças internas e externas, o Líbano passa por um período muito delicado. Essa luta tem como pano de fundo as eleições presidenciais dentro de alguns meses e realça a proeza da Associação Suíça pelo Diálogo Euro-Arabo-Muçulmano (ASDEAM).

Trata-se de uma ONG criada em Genebra há um ano com o objetivo de reunir representantes de quase todas as correntes políticas e religiosas que compõem (e dividem) o Líbano.

Como explica Ives Besson, co-diretor da ASDEAM, esse processo de diálogo é, por enquanto, o único que funciona. A mediação da Liga Árabe não avança nem o projeto de conferência proposto pela diplomacia francesa.

"Nas circunstâncias atuais, é para destacar que os participantes tenham chegado a um acordo para elaborar um comunicado comum tão substancial", comenta Johann Aeschlimann, porta-voz do Ministério suíço das Relações Exteriores (DFAE).

Ele acrescenta: "esperamos que esse resultado e o processo desencadeado produzam efeitos positivos para além do círculo de participantes".

Pontos de convergência

Nesse documento, o conjunto de participantes concordaram em afirmar que a crise libanesa deve ser resolvida pelos próprios libaneses. Eles reafirmam a vontade de viver juntos com base na igualdade, qualquer que seja a confissão.

O documento vai ainda mais longe ao reafirmar a necessidade de mudar o princípio atual de repartição do poder segundo critérios confissionais e a importância de uma justiça independente.

Para isso, os libaneses reunidos na Suíça pedem uma aplicação integral dos acordos de Taëf, firmados em 1989 e que encerraram a guerra civil.

Enfim, o comunicado reafirma o monopólio do Estado no uso da força, bem como o direito de resistir a toda ingerência externa.

No final do documento, os participantes afirmam sua vontade de prosseguir e aprofundar suas discussões no Líbano e na Suíça.

Reunião informal

De fato, nos dois encontros que mantiveram em Mont-Pèlerin (oeste), os próprios dirigentes das facções libanesas não participaram e sim conselheiros políticos, deputados, universitários e advogados próximos dos dirigentes.

Além disso, o primeiro objetivo dos encontros (o primeiro ocorreu no final de abril) não é resolver os problems urgentes da crise libanesa mas discutir suas causas profundas.

O caráter informal e exploratório dessas discussões explica portanto, em parte, o fato de serem bem-sucedidas. Contudo, não se trata apenas de um puro exercício de estilo sem conseqüência para a crise libanesa que opõe o governo, dominnado pelos sunitas, à presidência da república, exercida por um cristão marronita aliado do Hezbollah chiita.

"Esta segunda reunião transcorreu em uma atmosfera ainda melhor do que a primeira. Resultado: os participantes libaneses decididram redigir um comunicado com que submeterão às hierarquias respectivas", precisa Yves Besson.

Primeiro objetivo atingido

O ex-diplomata soblinha ainda os progressos obtidos nesses dois primeiros encontros: "atingimos nossos objetivos, isto é, fazer com que trabalhassem juntos os representantes das diferentes correntes libanesas, colocar por escrito os pontos convergentes e os litígios, abordar as soluções sem obrigatoriamente obter unanimidade. Cada um teve de refletir sobre soluções e ouvir a reflexão dos outros."

Claro que ainda é muito cedo para medir o impacto desse processo, mas a fórmula proposta pela Suíça permite, segundo Yves Besson, de apoiá-lo, seja pela sua Assoociaço ou, em caso de necessidade, recorrer à diplomacia suíça.

swissinfo, Frédéric Burnand, Genebra

Breves

A Associação Suíça pelo Diálogo Euro-Árabo-Muçulmano organizou até agora duas reuniões sobre para discutir a crise que ameaça se extender no Líbano.

Esses reuniões ocorreram em abril e junho deste ano no vilarejo de Mont-Pèlerin, perto de Lausanne, oeste da Suíça.

Participaram uma dezena de personalidades representativas de quase todas as correntes político-religiosas do Líbano.

A diplomacia suíça apóia financeiramente o processo e acompanha as discussões.

Aqui termina o infobox

Cronologia recente do Líbano

1989: Os acordos de Taëf encerrram a guerra civil iniciada em 1975.

2000: exército israelense retira-se do sul do Líbano, ocupado desde 1978.

2004: a resolução 1559 do Conselho de Segurança da ONU exige a retirada das tropas sírias do Líbano e o fim das atividades militares do Hezbollah.

2005: o ex-primeiro ministro libanês Rafic Hariri morre num atentado cometido com um caminhão-bomba. A ONU mandata investigadores para apurar o caso para posterior julgamento dos responsáveis do assassinato.

2006: uma guerra de um mês opõe Israel e a milícia do Hezbollah provocando a morte de mais de mil civis.

Dia 20 de maio 2007: início dos combates no campo palestino de de Nahr Al-Bared entre o exército libanês e o grupo Fatah Al-Islam.

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×