Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Licença-maternidade deve melhorar

Um ano depois, volta o debate sobre seguro-maternidade.

Na Suíça a licença-maternidade pode passar de 8 a 14 semanas para as mães que trabalham fora de casa. A Câmara dos Deputados acaba de adotar iniciativa nesse sentido.

A proposta foi aprovada por confortável maioria sexta-feira, 23 de junho, no último dia da sessão estival do Parlamento. Ela acontece 1 ano depois que o povo rejeitou pela terceira vez um projeto de seguro-maternidade.

A nova proposta prevê licença paga de 14 semanas, em vez de oito, como garante atualmente na Suíça o "Código das Obrigações". Esse código não prevê em todos os casos pagamento de salários nesse período em que é proibido trabalhar. (Por ex., ausência por enfermidade no mesmo ano pode penalizar a parturiente).

Foi então sugerido que a mãe recebesse em todas as circunstâncias durante 8 semanas. Mas prevaleceu proposta apoiada por socialistas que reagiu contra essa iniciativa de cunho radical, centro-direita. Deputados socialistas estimaram tratar-se de tentativa de enterrar um seguro maternidade.

Vale lembrar que há um ano, o povo suíço rejeitou pela terceira vez um projeto de seguro-maternidade. O seguro previa que todas as mães "com atividades lucrativas" recebessem durante 14 semanas, 80 por cento do último salário. E todas as mães de condições modesta, trabalhando ou não receberiam um "prêmio" único de 4,200 francos suíços - cerca de 2,600 dólares.

A Suíça é o único país da Europa ocidental (provavelmente junto com o Vaticano!) que não tem um seguro-maternidade.

swissinfo com agências.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.