Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Mais países são considerados "seguros"

Essa nova lista vai permitir ao governo tomar mais rapidamente decisões frente aos pedidos de asilo político.

(Keystone)

O Departamento Federal de Refugiados publica, pela primeira vez, uma lista contendo o nome de quarenta países considerados “seguros”.

A partir dela, estrangeiros oriundos desses países não podem mais solicitar asilo político na Suíça.

A campanha eleitoral dos partidos suíços começa a se esquentar com a proximidade das eleições em 19 de outubro. Um dos temas mais polêmicos é o asilo político.

Enquanto representantes dos grupos de esquerda defendem uma política mais liberal, partidos de direita acusam o governo de abrir as portas da Suíça para estrangeiros que não são verdadeiramente perseguidos em seus países.

Para acirrar a discussão, o Departamento Federal de Refugiados acaba de publicar uma lista contendo o nome de quarenta países considerados “safe countries”, ou seja, países considerados “seguros” para os seus habitantes.

A novidade: países da EU são incluídos

Apesar de já existir, a lista agora é publica e foi drasticamente expandida. Até então, o Departamento Federal de Refugiados considerava apenas Albânia, Bulgária, Gâmbia, Gana, Índia, Lituânia, Mongólia, Romênia e Senegal, países onde seus cidadãos não são perseguidos pelo Estado. Agora estão incluídos os quinze países da União Européia, os países do EFTA (Liechtenstein, Noruega e Islândia, além da própria Suíça), os países candidatos à União Européia (Estônia, Letônia, Malta, Polônia, República Eslovaca, Eslovênia, República Tcheca, Hungria e Chipre), assim como a Bósnia-Herzegowina e a Macedônia.

“A definição de um país seguro para o Departamento Federal de Refugiados não é a mesma que para a população”, explica Dominique Boillat, porta-voz do órgão. “Para as pessoas, um país seguro é aquele onde o turista pode passar férias sem correr riscos. A lista que publicamos não tem valor para esse tipo de análise”.

Para o governo, um país seguro é aquele “onde o Estado respeita os direitos humanos e também as convenções internacionais”.

A lista não é definitiva. Uma ou duas vezes por ano ela pode ser reeditada. Na maior parte das vezes, o Departamento Federal de Refugiados solicita mudanças devido a situações extremas na área de asilo político. O conselho de ministros analisa o pedido e pode dar sua autorização.

Medo de ciganos

Segundo um artigo publicado no jornal de Zurique “Neue Zürcher Zeitung”, a razão pela inclusão de países europeus na lista de países considerados “seguro” é “para evitar a imigração massiva de povos nômades como os ciganos. No início do ano, vários deles chegaram da França e solicitaram asilo político na Suíça.

“Cada país tem uma lista de países considerados seguros. Os critérios para determiná-los é diverso. No ano passado, 26.125 pessoas pediram asilo político à Suíça. Desse grupo, apenas 11,3% (2.953 pessoas) eram originários de um país considerado seguro, segundo os critérios válidos”, afirma Boillat.

swissinfo com agências


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.