Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ativistas participam da Parada do Orgulho Gay em Santiago, em 25 de novembro de 2017

(afp_tickers)

Multitudinária e influenciada pelo clima eleitoral no Chile, a Santiago Parade-2017 mobilizou neste sábado milhares de pessoas que se somaram ao movimento pela igualdade e pela aprovação de leis que resguardem os direitos da comunidade LGBTI.

Pelo 12º ano consecutivo, a marcha levou milhares de pessoas às ruas, embaladas ao ritmo da música eletrônica que, agitando bandeiras com as cores do arco-íris, se manifestaram em defesa da diversidade sexual.

O Movimento de Integração e Liberação Homossexual (Movilh), organizador da marcha, comemorou o êxito da convocação, à qual se somaram vários grupos de defesa dos direitos humanos.

"A ideia é manter na discussão pública e nos candidatos e parlamentares a necessidade de se avançar no casamento igualitário e acelerar o trâmite e aprovar a lei de identidade de gênero", que espera aprovação na Câmara dos Deputados, disse à AFP Rolando Jiménez, porta-voz do Movilh.

A norma permitirá que as pessoas trans sejam identificadas legalmente com o nome e o gênero com que se identificam, permitindo seu pleno desenvolvimento, destacou.

Jiménez pediu, ainda, que se acelere a discussão no Congresso da lei de casamento igualitário e assegurou que as pesquisas demonstram que "a sociedade chilena caminha mais rápido que a política, já que cerca de 70% o aprovam".

O tom eleitoral ficou por conta da concentração anterior, no início da marcha, com a presença do candidato governista, Alejandro Guillier, adversário do ex-presidente Sebastián Piñera no segundo turno de 17 de dezembro, que definirá o sucessor de Michelle Bachelet.

Em agosto passado, a presidente deu um passo a mais em seu ambicioso plano de reformas sociais, ao enviar ao Congresso o projeto de lei de casamento igualitário, após aprovar, em 2015, o Acordo de União Civil, que permitiu legalizar as uniões homossexuais, mas que não legisla sobre adoção.

O projeto do casamento igualitário começará a ser tratado segunda-feira no Congresso na Comissão de Constituição, Legislação e Justiça do Senado.

Ao encerrar a mobilização, o Movilh distinguirá Bachelet por ter assinado o Acordo pela Igualdade, diante da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que compromete ao Estado chileno legislar sobre diversidade sexual.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP