Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Meninas invadem empresas suíças

12 mil meninas de 10 a 15 anos participaram da Jornada, este ano.

(Keystone Archive)

Nesta quinta-feira, 14 de novembro, 11 mil estudantes acompanham o dia de trabalho de seus pais em mais de 8 mil empresas suíças.

O objetivo da "jornada das meninas" é promover a igualdade entre homens e mulheres na formação profissional.

Durante essa jornada, as menimas que estão entre a quarta e a nona série do ciclo escolar suíço, entre 10 e 15 anos de idade, acompanham o pai ou a mãe em seus locais de trabalho em todo o país.

Descobrir o mundo do trabalho

Essa experiência, já conhecida nos Estados Unidos, Alemanha e Áustria, permite às jovens estudantes de redescobrirem seus pais em seu meio profissional, conhecer seus colegas de trabalho e, sobretudo, ter uma primeira visão do mundo do trabalho.

Organizada pela conferência suíça de delegados pela igualdade, a jornada das meninas é parte de um vasto programa chamado "16 +", destinado a promover a igualdade entre os sexos na formação profissional.

Na Suíça, a opção profissional é definida a partir dos 16 anos de idade. Apoiado pelas autoridades federais, o programa "16+" inclui vários projetos setoriais para estimular o equilibrio entre os sexos na vida profissioanal.

Maria Roth Bernasconi, responsável pelo programa para as regiões de língua francesa e italiana na Suíça, assinala à swissinfo que é grande o interesse das meninas, das empresas e das escolas que contruibuem para a jornada. No ano passado, quando da primeira experiência, 2 mil meninas participaram. Este ano, mas de 11 mil se inscreveram.

Por que somente as meninas?

"Em geral, os meninos consideram evidente que serão profissionalmente ativos a vida inteira, que farão carreira e serão financieramente independentes. As meninas pensam que deixarão de trabalhar quando se tornarem mães", explica Maria Roth Bernasconi.

A "jornada das meninas" também contou com a adesão de empresas que aceitaram que seus funcionários dedicassem um dia de trabalho às suas filhas. Entre as firmas que se inscreveram para liberar funcionários e as aceitaram receber visitantes, foram mais de 8 mil em toda a Suíça.

A inclusive empresas que organizaram um acolho especial às estudantes como foi o caso de swissinfo/Rádio Suíça Internacional, que recebe 12 meninas. Também foi o caso da administração federal em que um grupo de meninas poderá dialogar com o ministro suíço das Relações Exteriores, Joseph Deiss.

Mudar meninas, pais e empresas

Maria Roth Bernasconi afirma que o objetivo dessas jornadas, que devem ocorrer todo no na segunda quinta-feira de novembro, é "estimular as meninas a desenvolver suas próprias perspectivas professionais, a descobrir novas aptidões e lançar-se no exercício de oficios tradicionalmente reservados aos homens".

Os organizadores também esperam que as jornadas contribuam para mudar a política de contratação de pessoal. Acreditam também que as escolas aproveitem do interesse de suas alunas por profissões onde as mulheres são pouca numerosas e estimam que a experiência estreiterá o contato, o diálogo e discussão sobre o futuro profissional entre as filhas e seus pais.

Swissinfo/Jaime Ortega

Breves

- Objetivo é promover a igualdade na formação profissional

- 11 mil meninas, entre 10 e 15 anos, participam este ano

- Mais de 8 mil empresas suíças abriram suas portas para a experiência

- A operação é do interesse das estudantes, suas famílias, escolas e das empresas que participam.

Aqui termina o infobox


Links

×