Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Mercado de trabalho Imigração da UE não é ruim para empregos suíços

A imigração da União Europeia (UE) manteve-se estável no ano passado e teve um impacto mínimo nos salários suíços, anunciou a Secretaria de Estado para Assuntos Econômicos (SECO).

border crossing

Fronteira entre a Suíça e a Alemanha em Rheinfelden

(Keystone / Martin Ruetschi)

Em seu relatório anual analisando os efeitos do acordo de livre circulação de pessoas - que permite a imigração dos países da UE para a Suíça - a SECO disse na segunda-feira que os números do ano passado foram aproximadamente os mesmos de 2017, com um fluxo líquido de 31.200. 

O número é inferior à média de longo prazo, e é notavelmente uma grande queda em relação ao recorde de 68.000 chegadas registrado em 2013, um ano antes dos cidadãos suíços votarem de forma controversa para restringir a imigração da Europa

Em termos de emprego, que foi uma das forças motrizes da votação de 2014, a SECO considera que a grande presença de trabalhadores estrangeiros no país não tem um impacto significativo nas perspectivas de emprego suíço ou nos salários. 

Em média, segundo o relatório, os imigrantes europeus ganham salários ligeiramente mais elevados do que os suíços. No entanto, isso é impulsionado principalmente por trabalhadores da Europa Ocidental e do Norte da Europa; os dos países do Sul e do Leste da Europa são muitas vezes subempregados e ganham salários 6% mais baixos do que os suíços. 

Preferência local 

O relatório também apresentou uma avaliação provisória de uma medida de "prioridade de emprego para os residentes suíços" introduzida no ano passado como forma de aliviar os receios expressos na votação de 2014.  

De acordo com este sistema, os empregadores de setores com uma taxa de desemprego de pelo menos 8% devem primeiro anunciar vagas a candidatos a emprego registados nos serviços de desemprego suíços; se a vaga não for preenchida no prazo de uma semana, só então deverão recorrer à mão-de-obra imigrante. 

E embora seja muito cedo para quantificar os efeitos diretos da medida sobre a imigração e o emprego (outro relatório está previsto para o outono), Boris Zürcher, da SECO, disse à rádio pública suíça RTS que seu ministério está satisfeito com os efeitos positivos até agora. 

Apesar da carga administrativa adicional das negociações de ida e volta com os serviços de desemprego, "as empresas levaram isso em consideração", disse. "As medidas permitiram que se aproveitasse um número considerável de candidatos a emprego na Suíça". 

Em 2018, 32% da força de trabalho suíça era composta por estrangeiros - 20% deles de países da UE e da Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) e 12% de outros países. A Suíça ocupa o segundo lugar, atrás apenas de Luxemburgo, como país europeu com uma taxa tão alta de trabalhadores estrangeiros.

 


swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.