Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Mesa neutra Suíça oferece discrição para americanos e norte-coreanos conversarem

Em público, ameaças. Por trás dos panos, diplomacia e contenção. A Suíça tem negociado entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte sem fanfarra, mas com sucesso. Na semana passada, um ex-diplomata dos EUA e um representante da Coreia do Norte conversaram em Montreux.

Caricatura
(swissinfo.ch)

Foi uma dessas reuniões que acontecem de tempos em tempos: no nível mais baixo, durante uma reunião internacional, discreta e informal. No entanto, ela foi significativa pois representa um momento de normalidade nas relações entre a Coreia do Norte e os EUA, que encontram-se neste momento mais tensas do que nunca após uma série de testes de mísseis na Coreia do Norte e ameaças da Casa Branca. Em tempos como esses, qualquer passo adiante nunca é pequeno demais.

A conferência começou na segunda-feira passada; o Conselho de Segurança da ONU acabava de impor novas sanções à Coreia do Norte. A empresa nacional de radiodifusão pública japonesa NHK informou que Evans Revere, ex-secretário adjunto de Estado para Assuntos do Leste Asiático e do Pacífico, conversou com Choe Kang Il, vice-diretor geral de assuntos norte-americanos no ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte. Não foram fornecidos detalhes sobre o encontro extra-oficial.

Foto de tela de tv, com programa de notícias da rede japonesa NHK (16/09/17)

Evans Revere e Choe Kang Il em reportagem da rede de televisão japonesa NHK

(NHK)

Em 4 de setembro, Doris Leuthard, que detém a presidência rotativa da Suíça este ano, ofereceu explicitamente os serviços da Suíça em uma função de mediação para ambos os países. A Suíça poderia desempenhar um papel relevante, sugeriu ela, ao oferecer um local adequado para reuniões.

"Eu acredito que é nosso trabalho ver quais possibilidades existem - o Twitter não será um instrumento adequado. Isso tem que ser muito discreto", disse Leuthard.

‘Opção militar’ 

Imediatamente após a conferência, a guerra de gestos e palavras entre a Coreia do Norte e os EUA voltou a esquentar. Na quinta-feira, a Coreia do Norte testou outro míssil que voou sobre o Japão e teve alcance suficiente para atingir a ilha de Guam, território americano que abriga a maior base militar dos EUA no oceano Pacífico. Segundo a Coreia do Norte, o teste destinava-se a "conter a beligerância dos EUA", com o objetivo de criar um "equilíbrio de poder" entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos.

Na sexta-feira, Choe Kang Il falou com repórteres em Pequim durante escala na volta da Suíça. Ele disse que o teste de mísseis faz parte de um plano para fortalecer a posição nuclear da Coreia do Norte. Ele acrescentou que a Coreia do Norte jamais removerá suas armas nucleares e mísseis da mesa de negociações enquanto os EUA continuarem expressando hostilidade em relação à Coreia do Norte, e ameaçando o país com armas nucleares.

O diálogo só começaria, ressaltou ele, quando os EUA abandonarem sua política hostil e as sanções.

Perguntado sobre o que ele e Revere haviam discutido em Montreux, Choe Kang Il repetiu que o programa de armas nucleares e mísseis da Coreia do Norte é uma medida de autodefesa. Ele recentemente disse à rede norte-americana NBC: "A administração Trump faria bem em repensar sua visão da Coreia do Norte".

Na sexta-feira, após o mais recente teste de mísseis, o consultor de segurança nacional dos EUA, HR McMaster, disse que existe uma "opção militar" contra a Coreia do Norte, mas acrescentou que essa é uma opção que a administração Trump prefere não utilizar.




Adaptação: Eduardo Simantob, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.