Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Metade dos ataques cerebrais pode ser evitada

Campanha visa prevenir ataques cerebrais.

(Fundação Suiça de Cardiologia)

Os ataques cerebrais são a terceira causa de mortalidade de adultos na Suíça e, quando não matam, podem provocar deficiências graves. Entre 30 e 50 p/cento dos ataques cerebrais poderiam ser evitados, segundo a Fundação suíça de Cardiologia (FSC).

Evitar praticamente a metade dos ataques cerebrais é possível com uma higiene de vida mais adequada. Para isso a Fundação suíça de Cardiologia está lançando uma campanha nacional de esclarecimento à população.

Os ataques cerebrais são a terceira causa de mortalidade de adultos na Suíça, atingindo 12.500 pessoas por ano. Quando não mata, pode provocada deficiências graves e não somente em pessoas idosas. Segundo a FSC, um sexto das vítimas está na vida ativa. Constata também o aumento do número de casos de jovens fumantes que tomam anticoncepionais.

Controlar a tensão arterial e a taxa de colesterol pelo menos uma vez por ano, manter o peso certo, alimentação equilibrada e com pouco sal, reduzir o consumo de bebidas alcóolicas e fazer pelo menos meia hora de exercícios por dia. Esses são os principais conselhos da campanha.

Na maior parte dos casos, o ataque cerebral é provocado pela obstrução de um artéria que irriga o cérebro. Há vários simtomas como a paralisia repentina de uma parte do corpo, problemas visuais, perda da palavra, vertigem e dor de cabeça repentinas.

Quando surgem os sintomas, é muito importante levar imediatamente a pessoa a um hospital. O prazo para intervenções mais eficientes dos médicos é de, no máximo, três horas depois dos primeiros sintomas.

Segundo a Fundação suíça de Cardiologia, atualmente existem terapias eficazes para impedir ou limitar as lesões cerebrais, se o paciente for atendido rapidamente.

swissinfo com agências


Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.