Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Migração de cegonhas seguida por satélite

A tragetória da migração passa por Gibraltar

(swissinfo.ch)

Com equipamento sofisticado, 4 equipes de pesquisadores suíços vão seguir um bando de cegonhas que nesta época do ano emigram da Suíça para a África. O objetivo é preservar a espécie no país, diminuindo os riscos da migração e entender porque alguns animais não voltam. A operação está orçada em mais de U$ 450 mil.

Na Suíça, pelo segundo ano consecutivo, cientistas vão acompanhar, com veículos aparelhados, o vôo de 20 novas cegonhas que devem trocar brevemente a Suíça, ainda em pleno verão, e refugiar-se na África para escapar do frio invernal.

Torres de alta tensão o perigo n° 1

As cegonhas sobrevoam a França até o estreito de Gibraltar de onde cruzam para a África. Com anéis que permitem identificá-las e segui-las por satélite, os cientistas procuram determinar e reduzir os perigos que ameaçam a vida dessas aves, em particular as torres de alta tensão.

Experiência semelhante realizada no ano passado permitiu seguir 25 cegonhas que buscavam refúgio na fronteira entre o Mali e a Mauritânia. Cinco morreram e oito estão desaparecidas. As 12 restantes foram igualmente incorporadas à atual experiência. Já foi possível determinar que elas foram dizimadas no continente africano. Os cientistas gostariam de saber o porquê.

Primeira experiência teve algum êxito

Graças ao anel que levam e que permite acompanhá-las por satélite pôde-se salvar 6 cegonhas da última leva, em Montpellier, na França. Elas haviam caído numa caixa d'água. Seis outras, sem anéis morreram afogadas no mesmo local.

Na Suíça há exatamente 176 casais de cegonhas atualmente. A preocupação é preservá-las, até porque a espécie esteve ameaçada no país.

A operação deste ano vai custar 800 mil francos suíços - quase 450 mil dólares - soma financiada por doadores.

swissinfo com agências.


Links

×