Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Minas matam ou mutilam em cada 20 minutos

Alerta para o perigo nos jardins da ONU em Genebra

(Keystone Archive)

Reunidos em Genebra, representantes de 120 países avaliam progressos do Tratado de Ottawa. O tratado proíbe produção, uso e estocagem de minas terrestres.

Estados Unidos, China, Rússia e Israel continuam rejeitando o acordo.

Calcula-se que as minas matem ou aleijem uma pessoa em cada 20 minutos, ou seja, uma média de 72 por dia e 26.280 por ano. (O Camboja é um dos mais atingidos, com um amputado em cada 236 pessoas em conseqüência de minas. Cerca de 40% das vítimas são crianças).

Para um balanço da situação e principalmente promover adesão ao Tratado de Ottawa, representantes de 120 países, entre os quais 96 "partes contratantes", se reunem em Genebra, de 16 a 20 deste mês.

Constatam progressos: em algumas regiões do mundo, em particular nos Bálcãs, têm tido êxito tentativas de remoção de minas. Afeganistão, um dos mais minados do planeta acaba de assinar o acordo. Constatam regressos: em certas partes do mundo, como na litigiosa Caxemira ou na Chechênia, essa arma está sendo espalhada.

Grandes potências refratárias

Segundo o Tratado - destinado a proibir fabrico, uso e estocagem da arma - os países que o ratificam dispõem de 4 anos para destruir os estoques e 10 anos para desativação de minas no próprio território.

A esse respeito, há bastante expectativa em torno de 80 países que ratificaram o acordo em 1999. Eles têm prazo até fim do ano que vem para eliminar essa chamada arma do pobre (por ter custo muito baixo).

A inquietação maior vem dos países, em particular grandes potências como Estados Unidos, Israel, China e Rússia, e potências regionais como Índia e Paquistão, que continuam recusando o Tratado de Ottawa.

Especialistas assinalam haver 14 países que continuam a produzir essa arma e duispõem de 210 milhões de minas, a metade na China.

Otimismo e pessimismo

De um lado nota-se certo otimismo na conferência de Genebra. Como afirma uma das participantes no encontro, até agora 34 milhões de minas terrestres foram destruídas no mundo. E entre os 144 signatários do tratado, 126 já ratificaram o documento.

O lado pessimista resulta da síndrome 11 de setembro: "As somas destinadas a desminagem e assistência às vítimas estão diminuindo", constata Elisabeth Reusse-Decret, coordenadora da campanha suíça contra minas terrestres.

Acrescenta que os atentados de 11 setembro tiraram a questão da agenda.

Enquanto isso, a Suíça continua a consagrar 12 milhões de francos - € 8.1 milhões - a esse combate.

swissinfo

Fatos

Tratado do Canadá foi assinado em 1997
vigora desde 1999.
Confer. precedentes:
Maputo em 1999,
Genebra 2000
Manágua 2001.

Aqui termina o infobox

Breves

A Suíça associou-se a esforços no sentido de incluir grupos armados não governamentais na convenção de Ottawa.

A proposta poderia figurar na agenda da conferência sobre revisão do tratado, prevista em 2004.

Grupos do Curdistão iraquiano, o SFPLA de Sudão e duas facções guerrilheiras das Filipinas já renunciaram a minas terrestres.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.