Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Mobilidade cidadã Por que o transporte público gratuito não pega na Suíça

Ônibus elétrico

Um modelo a ser seguido? Em Luxemburgo, todas as formas de transporte público são gratuitas.

(Bloomberg Finance Lp)

Menos emissões de carbono e menos engarrafamentos: esses são os argumentos propostos pelos defensores do transporte público gratuito. Mas quão realista é essa ideia na Suíça?

Quem não adoraria a liberdade de entrar e sair de bondes e trens sem ter que mexer em máquinas de bilhetes ou mostrar seu passe para os condutores? Em Luxemburgo, esse sonho se tornou realidade em 1º de março, quando a medida entrou em vigor com o objetivo de reduzir os notórios engarrafamentos e as emissões de CO2.

O estado europeu é cerca de 16 vezes menor que a Suíça e, portanto, dificilmente comparável. No entanto, a ideia de transporte público gratuito tornou-se recentemente um assunto amplamente discutido na nação alpina.

O melhor dos mundos?

Cédric Wermuth é um firme defensor do transporte público gratuito. O político suíço e candidato à co-presidência do Partido Socialista tem uma visão, como ele relatou recentemente à mídia: "O transporte público deve ser gratuito e financiado com impostos".

Mas Kay Axhausen, professor de planejamento de transportes no Instituto Federal de Tecnologia ETH Zurich, é mais cético.

"Digamos que seja um sucesso retumbante e as pessoas comecem a tomar os ônibus em massa", diz ele. "Quando estiverem superlotados e pouco confiáveis, as pessoas provavelmente voltarão para os seus automóveis em dois dias."

Axhausen questiona se a redução de preços ou o transporte público gratuito é realmente a medida mais eficaz para obter menores emissões de CO2. Em vez disso, ele prefere opções de conexão melhores e mais fáceis, priorização para transporte público nos semáforos, mais faixas de ônibus e mudanças na rede de rotas como formas possíveis de tornar o transporte público mais atraente.

"Grátis" é sinônimo de porcaria?

A idéia de transporte público gratuito é uma idéia da esquerda, mas nem todo mundo nesse espectro político é a favor. Alguns estão defendendo uma escala de preços. Na opinião deles, o transporte público deve custar mais do que viajar a pé ou de bicicleta. Outra sugestão é oferecer um passe nacional aos jovens por 1.000 francos suíços (US$ 1.030), uma ideia que está ganhando algum apoio público.

"O transporte local gratuito certamente teria um efeito positivo no meio ambiente, se encorajar as pessoas a mudar do carro para o transporte público", diz Laura Schmid.

No entanto, a gerente de projetos de política de transporte da Associação de Transporte e Meio Ambiente diz que sua organização também é um pouco crítica à ideia.

"Porque quando algo é gratuito, você pode consumir o quanto quiser", diz ela. "O transporte público também consome espaço e energia e leva à expansão urbana."

A organização que representa as empresas de transporte público, que é politicamente independente, dá pouca importância à ideia de passes de ônibus gratuitos. Na visão da organização, o sistema de transporte público representa uma vantagem econômica para a Suíça.

"[Mas] nossa posição é clara - o que custa nada não tem valor", diz o porta-voz Roger Baumann.

O modelo

Embora não exista uma lista abrangente de experimentos com transporte público gratuito, o exemplo de Hasselt na Bélgica é frequentemente citado. De 1997 a 2013, os usuários puderam circular pela rede de transporte público da cidade gratuitamente. Com o tempo, o número de linhas de ônibus aumentou de três para mais de 50. Mas, finalmente, a cidade não conseguiu arcar com os custos operacionais e teve que voltar a cobrar dos passageiros.

Na capital da Estônia, Tallinn, o transporte local é gratuito para os residentes desde 2013 e agora é visto como um modelo pelos proponentes. Segundo relatos da mídia, o número de passageiros aumentou 14%. Também há menos engarrafamentos e a qualidade do ar melhorou.

O jornal Neue Zürcher Zeitung informa que Manchester, Bolton e Stockport, no Reino Unido, também oferecem linhas de ônibus gratuitas. O transporte público gratuito está sendo debatido em Moscou, entre outros lugares. Na cidade francesa de Dunquerque, um piloto está em andamento.

A maioria das experiências, no entanto, falhou por razões de custo. Portanto, a pergunta é: o benefício justifica o custo?

O conselho da cidade de Berna, por exemplo, teve essa resposta a uma iniciativa local: o transporte público gratuito teria efeitos positivos, mas não é financeiramente viável para a cidade.

"O transporte público é subsidiado praticamente em qualquer lugar do mundo", diz Axhausen, especialista em planejamento de transporte. Ao oferecer preços comparativamente baixos, as cidades já estão tentando incentivar as pessoas a pegar o ônibus.

Se esse serviço tivesse que ser financiado inteiramente com recursos públicos, como prevê o social-democrata Wermuth, “as empresas de transporte perderiam o controle [sobre o sistema] e, em certa medida, sua independência em relação à política, porque seriam completamente dependentes financeiramente dela", acrescenta Axhausen.

Schmid, da Associação de Transporte e Meio Ambiente, afirma: “Quando você tem transporte público gratuito, não pode mais controlar a situação, por exemplo, com uma passagem "supersaver" [tarifas com desconto para incentivar os passageiros a viajar em horários fora do horário de pico]. Existe o risco de o número de passageiros aumentar na hora do rush. ”

“Do ponto de vista ambiental, a questão principal para nós é se os efeitos [positivos] de uma mudança para o transporte público gratuito são maiores que o aumento no consumo.”

Propostas rejeitadas

Várias tentativas anteriores na Suíça de levar as pessoas a aprovar propostas de transporte público gratuito falharam. De Basileia em 1972 a Genebra em 2008 e, mais recentemente, uma proposta de passes de ônibus gratuitos para menores de 25 anos na área de St. Gallen em 2012 - todas foram rejeitadas pelos eleitores.

"A ideia claramente não está em ressonância com o público", diz Baumann, da organização de transporte público.

A necessidade de passes de ônibus gratuitos parece não existir em um país onde o transporte público é melhor do que em quase qualquer outro lugar do mundo - e já é fortemente subsidiado.



swissinfo.ch/ets, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.