Como o novo coronavírus influencia o sistema político

O governo federal da Suíça introduziu em 16 de março medidas de emergência para combater a pandemia, dentre elas recomendando distanciamento social e autoisolamento por dois meses. A sessão de primavera do Parlamento federal foi cancelada e um referendo, previsto para maio, adiado. Os ministros passaram a governar por decreto. Como ficou a democracia direta no país?

Martina Mousson, cientista política do instituto de pesquisas Gfs.bern, estuda fenômenos psicológicos em tempos de crise. Logo após a Gripe Espanhola, que provocou milhões de vítimas, muitas pessoas nos anos 1920 celebraram um estilo de vida excessivo no que viria a ser chamado "Roaring Twenties" (Felizes Anos Vinte). Hoje existe uma tendência a comparar esses anos com a situação atual trazida pela eclosão da epimedia provocada pelo novo coronavírus.

O poder exepcional ganho pelo governo está apoiados na lei de Epidemias. Ela permite que o Conselho Federal (o grupo de sete ministros que governa o país) decrete medidas emergenciais desde 16 de março de 2020 sem a necessidade de pedir autorização do Parlamento suíço.

Após a interrupção da sessão de primavera (O Parlamento suíço se reúne quatro vezes por ano), a Camara dos Deputados e o Senado se encontraram no início de maio em um centro de exposições de Berna, onde era mais fácil garantir o distanciamento de segurança do que nas instalações do Palácio Federal. 

Como faz parte do sistema de semi-democracia direta da Suíça, os grupos que geralmente recolhem assinaturas de eleitores para a realização de plebiscitos, têm de esperar: essas ações estão proibídas por motivos de segurança até o início de junho. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo