Navigation

Setores da economia suíça se desentendem antes de cúpula com Mercosul

O ministro da Economia, Johann Schneider-Ammann, quer acelerar um acordo de livre comércio entre a Suíça e os países latino-americanos do Mercosul, mas há preocupação no setor agrícola.

Este conteúdo foi publicado em 22. fevereiro 2018 - 11:20
SRF

"Um acordo de livre comércio sem o setor agrícola é impensável", disse Schneider-Ammann em entrevista coletiva na terça-feira. Ele falava depois de uma reunião com cerca de trinta empresas e organizações agrícolas para discutir os aspectos relacionados à agricultura. O sindicato dos agricultores suíços (USP) recusou-se a participar.

Um acordo comercial com o Mercosul, que inclui Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, pode dar aos exportadores suíços acesso a um mercado de 260 milhões de consumidores, mas o setor agrícola terá que aceitar algumas mudanças.

O governo tomou isso em consideração quando, em novembro passado, revelou planos sensíveis para a reforma agrícola, incluindo mais concorrência e menos protecionismo.

Esta estratégia é combatida pela USP, que diz que o plano não contém medidas para mitigar as "grandes perdas que sofrerão as famílias agricultoras". Também diz que as negociações do Mercosul e o plano de reforma agrícola são questões distintas que não devem ser vinculadas.

Representantes das 27 organizações que participaram da reunião, incluindo associações de produtores de leite, carne e cereais, concordaram que o protecionismo não é uma opção, de acordo com Schneider-Ammann. Ele disse que os efeitos de um acordo sobre a agricultura seriam limitados, embora ele não tenha citado números.

A Suíça quer um acordo com o Mercosul rapidamente, porque a União Européia está perto de um acordo com esses países e, se chegar a um acordo antes da Suíça, os exportadores suíços sofrerão.

Apesar do tamanho do mercado sul-americano, a Suíça atualmente exporta apenas CHF 4 bilhões (US$ 4,28 bilhões) para países do Mercosul. O acordo de livre comércio afetaria não apenas a agricultura, mas as empresas de exportação que atualmente enfrentam tarifas consideráveis ​​nesses países.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.