Navigation

Berço da Suíça permanece fiel às origens

No monte Rütli é proibido construir e você não vai encontrar nenhum centro de turismo ou loja de souvenir no famoso marco da Suíça. Todos os anos, no dia 1° de agosto, a bucólica paisagem vira palco de comemorações do dia nacional do país.

Este conteúdo foi publicado em 26. julho 2014 - 11:00

Esta colina à beira do lago - um lugar de peregrinação para os suíços - foi mantida mais ou menos como era em 1291, quando começou aqui a história suíça.

Este é o lugar onde os representantes das comunidades dos vales de Uri, Schwyz e Nidwalden se reuniram para declarar sua lealdade para com o outro contra a opressão dos senhores Habsburgos.

O juramento do Rütli foi visto mais tarde como um primeiro passo para a fundação da nação suíça.

Na história moderna, o comandante das forças armadas da Suíça, o General Guisan, fez um discurso histórico no Rütli, em 1940, conclamando o exército a resistir a qualquer invasão das tropas da Alemanha.

Nos dias de hoje, é proibido usar a colina para fins políticos ou comerciais.

Após uma intromissão de neonazistas nas celebrações do dia nacional, em 2005, foram criadas regras mais estritas para as manifestações no local.

(Julie Hunt, swissinfo.ch/SRF) 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.