Navigation

Skiplink navigation

No império dos fantasiadores

Um ano depois da reabertura do Parque Bruno Weber em Dietikon (cantão de Zurique), há motivo para comemorar. Uma nova fundação assume os trabalhos do parque e cria um novo conceito. Ele prevê o desenvolvimento, saneamento e expansão em períodos de três, sete e vinte e um anos.

Este conteúdo foi publicado em 18. junho 2016 - 11:00

Bruno Weber (1931 a 2011) deixou como legado o maior parque de esculturas de apenas um artista. Paralelamente ao amplo processo de industrialização da região do Limmattals – e como resposta à isso - Bruno Weber criou no espaço de meio século uma obra completa, onde a relação entre homem, natura e espaço é espelhado. Quanto mais acelerado era o desenvolvimento do Limmattal, mais próximo de um oásis se transformou a área de 15 mil metros quadrados. Nela estava seu ateliê, residência, as esculturas, jardins e florestas. O cantão de Zurique declarou o espaço em 2004 como área de proteção.

Sua viúva, Maria Anna Weber, nos conta um pouco da vida e da obra desse famoso artista.

http://www.brunoweberpark.ch/#welcome


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo