Imame luta contra radicalismo na prisão

Muçulmanos constituem cerca de 5% da população na Suíça. Porém nas penitenciárias, um em cada três detentos são muçulmanos. A prisão regional de Berna é um dos centros que permitem imames trabalharem como conselheiros.

Este conteúdo foi publicado em 20. dezembro 2018 - 10:45

Mustafa Memeti visita uma vez por semana a prisão. Ele age como intermediário entre as autoridades prisionais e os presos muçulmanos. Ele oferece apoio e conforto espiritual, falando aos reclusos sobre religião, vida familiar e seus problemas pessoais.

Esse líder religioso tenta, também, combater a radicalização dos detentos. Ideologias extremistas podem florescer nesse ambiente permitindo o recrutamento de pessoas vulneráveis ou desiludidas. Monika Kummer, diretora da penitenciária, descreve o que ela vê como sinal de alerta: "Se alguém deixar crescer uma barba, não ouve mais música ou assisti televisão, nós começamos a acompanhar um pouco mais de perto."

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo