Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Nestlé quer comprar Garoto

A Nestlé passaria a ter apenas a Lacta como concorrente no setor de chocolates, no Brasil

(Keystone)

A líder mundial do setor alimentar estaria tentando comprar uma das maiores fábricas de chocolate do Brasil. O informe, revelado por uma agência de notícias norte-americana, não foi confirmado na sede da Nestlé.

Questionado por swissinfo, o porta-voz da Nestlé, François Perroud, afirmou que a política da empresa é não comentar rumores.

Negociações existem

A questão, no entanto, preocupa os 2.400 funcionários da Garoto e autoridades de Vila Velha (Estado do Espírito Santo), onde a empresa está instalada. Todos temem a desativação da fábrica, caso a Garoto seja mesmo vendida para a Nestlé.

A multinacional suíça detém cerca de 33% do mercado de chocolates no Brasil e a Garoto outros 22%. A Nestlé pasaria, então a ter mais da metade do mercado brasileiro. Por isso, as negociações também são acompanhadas pelo Conselho de Defesa Econômica (Cade).

Nesse caso, a única concorrente da Nestlé no Brasil seria a Lacta, comprada pelo grupo americano Kraft, com cerca de 34% do mercado.

Outros interessados

Em dificuldades financeiras e divergências na família proprietária, a Garoto está sendo vendida por intermédio do banco Merryl Linch. Além da Nestlé, a italiana Ferrero Rocher e a britânica Catbury Schwepps também estariam interessadas.

O Sindicato dos Trabalhadores em Alimentação e Afins do Espírito Santo vem falando públicamente do negócio. Uma de suas diretoras, Lara Lucia Lira, declarou à agência americana de notícias Dow Jones que o negócio está fechado com a Nestlé.

É essa informação que é qualificada de rumor na sede da Nestlé, em Vevey, oeste da Suíça. Analistas estimam a compra em cerca de US 412 milhões.

swissinfo com agências

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×