Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Nestlé vai continuar a investir no Brasil

Sede da Nestlé em Vevey, Suíça

(Keystone)

Apesar do caso da Garoto, a multinacional suíça vai continuar investindo no Brasil.

"Nossa relação de 80 anos com o Brasil não vai mudar. Seria infantil e contrário aos nossos interesses", afirmou o presidente da Nestlé, Peter Brabeck-Letmathe, em entrevista coletiva em Vevey, Suíça.

"Qualquer que seja o resultado, em dois anos o faturamento da Chocolates Garoto subiu 30% e não vamos perder dinheiro".

A afirmação é do presidente do conselho de administração da Nestlé, Peter Brabeck-Letmathe, em entrevista coletiva à imprensa, quinta-feira na sede da multinacional, em Vevey, quando a líder mundial do setor alimentar apresentou seu balanço 2003.

Surpresa

O vice-presidente para as Américas, Carlos Represas, disse que a Nestlé ficou "muito mas muito surpresa com a decisão drástica e dura do CADE porque sabíamos o que se havia feito antes em matéria de medidas anti-trust no Brasil".

Questionado por swissinfo, Represas não quiz fazer comparações com outras decisões do CADE mas explicou que a Nestlé "analisa todas as opções de defesa de seus interesses" e insistiu que a multinacional suíça atêm-se ao "estrito respeito da legalidade e das autoridades".

Dois anos atrás, a Nestlé havia comprado a Chocolates Garoto por 250 milhões de dólares, segundo analistas, embora a Nestlé não confirme essa cifra. A empresa de Vila Velha (ES) fora posta à venda devido divergências na família que a controlava.

Posição dominante

A Garoto era a terceira maior em venda de chocolates no Brasil, com cerca de 24% do mercado. A Nestlé detém 29% do mercado brasileiro de chocolates. O CADE, cujos 6 conselheiros são nomeados pelo Ministério da Justiça, julgou que a aquisição da Garoto daria à Nestlé uma posição muito forte no mercado, prejudicando o consumidor.

Pela decisão, a Nestlé terá de vender a Garoto a uma concorrente que não detenha mais de 20% do mercado, o que exclui a Kraft, dona da Lacta, mas não a Cadbury, que também era candidata à compra da Garoto.

"Não podemos agir sem ponderar todas as alternativas e elas são muitas", concluiu o vice-presidente para as Américas, Carlos Represas.

swissinfo, Claudinê Gonçalves, Vevey


Links

×