Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

O arquiteto português e sua obra africana

"Airplane House", residência construída em 1951, em Maputo

A influência do arquiteto português Pancho Guedes na arquitetura africana está em exposição em Basiléia, Suíça.

A mostra, que ficará até 20 de janeiro no Museu Suíço de Arquitetura, exibe diferentes perspectivas do trabalho de Guedes em Moçambique nas décadas de 50 e 60. São fotos, desenhos e esculturas de um dos mais renomados arquitetos modernos.

Amâncio d'Alpoim Miranda Guedes, conhecido como Pancho Guedes, nasceu em Portugal (1925), mas passou grande parte de sua vida em Moçambique. Lá deixou sua marca registrada em prédios, casas e outros monumentos urbanos que mesclam tendências artísticas e culturais.

Do surrealismo ao estilo art nouveau; do dadaísmo às pinturas de crianças, da arte africana à cultura portuguesa.

"Acho que sou um eclético", resume ele, com muita modéstia. O organizador da mostra e também arquiteto Pedro Gadanho faz uma análise diferente da importância de Guedes.

Referência na arquitetura

"É interessante observar o trabalho dele passados alguns anos. Acho que há hoje uma volta do minimalismo e do racionalismo no mundo das artes. Nesse sentido, o trabalho de Guedes é atual e uma referência importante na arquitetura internacional", explica.

Para Gadanho há uma ênfase nas formas orgânicas, tão proclamadas nos trabalhos de Guedes. A teoria do curador Gadanho batizou a mostra – Pancho Guedes, Uma Alternativa Modernista.

Guedes estudou arquitetura em Joahnesburg, na Universidade de Witwatersrand. Logo demonstrou talento pelo design, com influência de Joan Miró, Paulo Klee e Picasso.

Na época, o pós-guerra pedia um estilo funcionalista: cidades devastadas pela guerra tinham de ser reconstruídas rapidamente. Guedes vivia outra realidade: a África do Sul e a Central passavam por um boom econômico. Mesmo assim, as idéias modernistas do suíço Le Corbusier chegavam aos arquitetos no continente africano.

Le Corbusier e Nyemeyer

A mistura dessas influências é uma das marcas do trabalho de Guedes.
As formas de muitos de seus prédios incorporam as linhas de carros, aviões e navios.

Além da influência artística e social, o temperamento latino de Guedes colocou-o em contato com arquitetos brasileiros como Alfonso Reidy e Oscar Niemeyer. Em muitos de seus trabalhos pode-se ver a influência de Niemeyer.

"Quando deixei Moçambique, pensei em morar no Brasil, mas havia uma situação complicada: pessoas presas, desaparecidas", lembra-se ele dos tempos da ditadura militar.

A maior parte de seus projetos – mais de 500 entre murais, casas e edifícios – estão na cidade de Maputo – antiga Lourenço Marques. É a mais meridional de Moçambique e tem uma população de um milhão de habitantes.

O Leão que ri, Saipal Bakery, Zambi Restaurant são alguns deles. Muitos de seus projetos não estão bem conservados – a mostra exibe fotos e filmes atuais de alguns deles. "Isso é assim mesmo", conforma-se.

"Acho que é normal acontecer isso", diz ele. Em vários deles há moradores. E a marca de Guedes está lá. Numa espécie de museu em praça pública.

swissinfo, Lourdes Sola, Basiléia

Fatos

A exposição "Uma alternativa modernista" vai até 20 de janeiro de 2008, no Museu Suíço de Arquitetura em Basiléia, Suíça.

Aqui termina o infobox

ALGUNS DADOS

Nascido em Portugal em 1925, Pancho Guedes foi autor, em Moçambique, onde passou grande parte da vida, de uma arquitectura única que absorveu influências heterogéneas, do surrealismo à Arte Nova, do dadaísmo às pinturas de crianças, da arte africana à cultura portuguesa e, sobretudo, da natureza.

Autor do manifesto Os arquitectos enquanto mágicos, ilusionistas, negociantes de bens mágicos, promessas, poções, feitiços. Dos seus edifícios diz-se que são como entidades vivas, detentoras de qualidades humanas, «amorosos» ou «agitados».

fonte: Instituto Camões

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×