Navigation

O osso coreano do Mundial 2002

Sepp Blatter quer aproximar as duas Coréias swissinfo.ch

A atitude da Coréia do Norte preocupa os dirigentes do futebol internacional. O patrão da FIFA, o suíço Sepp Blatter, deseja ir a Pyongyong.

Este conteúdo foi publicado em 04. dezembro 2001 - 11:04

A Coréia do Norte atenderá mais às solicitações de Sepp Blatter que às de Seúl. Após o recente sorteio para a Copa do Mundo de 2002, a Federação Internacional de Futebol Association (FIFA) quer restabelecer o diálogo com Pyongyang (capital norte-coreana). Ou melhor, com o regime estalinista que continua surdo a convites que lhe são enviados.

"Única linguagem universal

"É uma de nossas prioridades - confia um dos dirigentes da FIFA - porque o futebol deve permitir às duas Coréias se falarem". De fato, a questão coreana não é puramente simbólica. É assunto que preocupa a administração do futebol mundial, com sede em Zurique.

Aliás, o presidente da FIFA, Sepp Blatter, esperava visitar Pyongyang antes de Natal. Principalmente para estudar possibilidade de realizar uma partida da Copa na Coréia do Norte, o que o repentino esfriamento das relações inter-coreanas tem impedido.

Sepp Blatter estima agora poder ir a Pyongyang no início do ano que vem. "Sempre disse, lembra Blatter, que o futebol, juntamente com a música, era a única linguagem universal".

A Suíça também envolvida

A Suíça não participa da próxima Copa do Mundo de Futebol. Mas também está interessada nas iniciativas da FIFA. Até porque, desde o fim da Guerra da Coréia, em 1953, a Suíça mantém observadores em Panmunjon, o único ponto de contato entre os dois irmãos inimigos.

Os militares suíços permanecem ao sul da fronteira, em acampamento que dividem com observadores suecos. Esses militares lamentam que a Copa seja ignorada pela TV norte-coreana, que podem captar.

"Pode-se perguntar se os norte-coreanos sabem que uma copa do mundo de futebol acontece no sul, comenta um diplomata suíço. Isso é totalmente surrealista".

Richard Wehrli, de Busan, Coréia do Sul.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?