Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

ONGs alertam contra mercado livre

Pouco aceito entre as ONGs: Supachai Panitchpakdi (à esquerda), diretor-geral da OMC.

(Keystone)

Grupos sociais suíços se reúnem e lançam manifesto em Berna contra abertura dos mercados mundiais.

Ecologistas, ONGs, organizações beneficentes e sindicatos de agricultores querem ser ouvidos na 5.ª Conferência Ministerial da OMC em Cancún, no México.

O salão no hotel era pequeno demais para um grupo tão colorido.

Sentados à mesa, representantes de sindicatos de funcionários públicos, organizações caritativas, agricultores e ecologistas suíços aguardavam a vez para transmitir seu recado aos jornalistas.

O anúncio era o pacote de reivindicações que está sendo transmitido ao governo suíço. Este deve dar a voz aos grupos insatisfeitos com as decisões que poderão ser tomadas na 5.ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), programada para ocorrer de 10 a 14 de setembro em Cancun, no México.

Fernand Cuche, deputado verde e secretário da Associação de Agricultores da Suíça francesa, e seu colega de classe, Jacques Bourgeois, afirmam que camponeses dos países ricos e pobres estarão em Cancún para protestar pelos mesmos interesses.

"Os pequenos agricultores no mundo inteiro sabem que a abertura dos mercados só favorecem às monoculturas e aos grandes comerciantes. Seus interesses são regionais. A agricultura deve ser multifuncional e fornecer alimentos seguros para todas as populações".

"Países ricos só querem mercados"

“O que os países mais pobres do mundo precisam não é mais abertura de mercado, mas sim instrumentos de autonomia política para possibilitar o seu desenvolvimento social e econômico”, ressalta Bastienne Joerchel, representando organizações caritativas como Swissaid, “Brot für alle”, Helvetas, Caritas e Heks.

Os participantes do manifesto não se esquecem da “hipocrisia” dos países mais ricos.

“Enquanto esses países pedem a abertura geral das fronteiras, eles defendem seus mercados sensíveis como o têxtil, siderúrgico e a agricultura”, completa Joerchel.

Representantes de funcionários públicos, como o professor escolar Beat Zemp, são contrários à liberalização dos serviços públicos. Ela já custou muitos empregos no setor.

“O Estado deve cumprir seu papel em áreas fundamentais como o ensino, comunicação e saúde”.

Contra as patentes

Ao falar de medicamentos, onde o governo suíço apóia a posição de outros países desenvolvidos, de proteger patentes das suas multinacionais, as ONGs são mais contundentes.

"O governo suíço deve se esforçar para que o acordo TRIPS entre em vigor. Ele, afinal, garante que a proteção da saúde pública esteja acima da proteção de patentes. Um exemplo gritante é a questão do acesso a medicamentos baratos, os genéricos, no combate a AIDS”, reclama Marianne Hochuli, da “Declaração de Berna".

Ecologistas também têm algo a dizer. Miriam Behrens, da ONG “Friends of the Earth” (Amigos do Planeta Terra) não quer que a OMC legalizem o comércio do marfim ou a caça às baleias. "Temas da ecologia atingem a humanidade. Eles devem ser discutidos na ONU e não num círculo fechado de ministros de comérciocomo, como irá ocorrer na OMC".

A diversidade de propostas na tomada de posição conjunta das ONGs mostra apenas que a insatisfação é grande. "A liberalização dos mercados não leva necessariamente a regras comerciais justas e nem ao crescimento sustentado no Planeta".

Um jornalista presente lembra apenas uma pequena contradição no discurso. "Se a solidariedade é tão grande entre os grupos contrários à globalização, por que não começar pela Suíça, onde há anos o açúcar é fortemente subsidiado, em detrimento dos países pobres exportadores do produto"?

swissinfo, Alexander Thoele


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.