Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

ONU projeta reduzir a pobreza à metade em 15 anos

O símbolo da cúpula genebrina.

Genebra vive em ritmo da Assembléia Geral da ONU até sexta-feira, dia 30. O objetivo da assembléia é fazer um balanço da Conferência de Cúpula de Copenhague, 5 anos antes, visando erradicar a pobreza no mundo. A ONU deve reduzir suas ambições...

Reunidos por cinco dias desde esta segunda-feira na cidade suíça de Genebra, representantes de todos os países entre os quais chefes de estado e de governos, principalmente dos países em desenvolvimento, devem reiterar vontade da comunidade internacional de combater a pobreza. Ao mesmo tempo a ONU deve fixar como objetivo "reduzi-la à metade até o ano 2015".

Na capital dinamarquesa, em 1995, uma conferência mundial de cúpula havia projetado a erradicação total da pobreza. Essa reunião das Nações Unidas em Genebra vai fazer um balanço dos progressos sociais no mundo desde o encontro de há cinco anos em Copenhague.

Tema dessa conferência extraordinária: "o desenvolvimento social para todos à hora da globalização".

No domingo, 25 de junho, foi aberto também o "FORUM GENEBRA 2000". É um encontro realizado pela Suíça destinado a permtir que a sociedade civil se exprima sobre a pobreza no mundo por ocasião dessa assembléia geral das Nações Unidas.

Por outro lado, terminou no fim de semana uma "CONFERÊNCIA ALTERNATIVA" à assembléia geral da ONU. Durante 3 dias cerca de 700 delegados de todo o mundo tentaram coordenar esforços no combate a conseqüências nefastas da globalização exigindo anulaçao de dívidas no "terceiro mundo", fim da especulação e um comércio mais equitativo.

Domingo numa manifestação reunindo de 4 a 6 mil pessoas desfilaram por Genebra protestando contras as derrapagens da globalização e o aumento constante da pobreza no mundo.

swissinfo com agências.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.