Suíça, a campeã imaginária

A Suíça tem um bom desempenho no setor econômico, mas não é um modelo quando se trata dos custos sociais e ambientais de suas atividades econômicas no exterior. Para o historiador Jakob Tanner, o país alpino deve ter cuidado para não se deixar cegar por uma versão brilhante de si mesmo.

Jakob Tanner, professor da Universidade de Zurique

"Considerando que estamos entre os dez primeiros em todos os rankings, essa posição é bastante estável em um nível alto", explicou Nicolas Bideau, responsável pela imagem da Suíça no exterior. O chefe da “Presença Suíça” está cumprindo sua missão principal ao delirar sobre o "clichê da Suíça", que aparentemente voltou a ser "sexy" novamente.

Trata-se de contas de judeus da época nazista que não haviam sido reembolsadas pelos bancos suíços

End of insertion

O Presença Suíça foi criado em 2001 como uma unidade administrativa do governo com o objetivo de "gerar simpatia pela Suíça". De acordo com o site do governo suíço, o ímpeto para isso foi o tema dos “ativos adormecidos".

Trata-se de contas de judeus da época nazista que não haviam sido reembolsadas pelos bancos suíços. No final da década de 1990, a Suíça foi surpreendida por essa história ocultada e mergulhou em uma crise de imagem prejudicial. A partir de então, tais acontecimentos lamentáveis para a imagem do país foram evitados através de "publicidade nacional" no valor de milhões de francos.

No passado, isso era chamado de propaganda nacional - e nunca foi conhecido por ser fiel aos fatos. O posicionamento da Suíça na liga mundial dos dez primeiros colocados não só é enganoso como também pode ter um impacto político desastroso. O pequeno e neutro país tem uma tendência fatal de aceitar histórias de sucesso, que ele prepara com as melhores intenções, pelo seu valor superficial e para se apaixonar por elas. A emergência política interna em torno dos "ativos adormecidos" foi um exemplo notável disso mesmo. A este respeito, nada se aprendeu.

A Suíça é hoje um país próspero, conhecido pela sua alta qualidade de vida nas cidades e pelas suas belas paisagens. Em vista do impressionante crescimento nos rankings e dos índices de classificação, não é difícil reunir exemplos que transmitam uma sensação de vida nas nuvens. O Fórum Econômico Mundial (FEM), que se reúne anualmente em Davos, coloca a Suíça em quarto lugar no seu Índice de Competitividade Global.

Além disso, o país ocupa o quarto lugar no Índice de Liberdade Econômica (Heritage Foundation). Está em terceiro lugar no relatório Global Entrepreneurship Monitor. No Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, está em segundo lugar, atrás da Noruega, e no Índice de Desempenho Ambiental publicado pelo WEF com universidades americanas, brilha em primeiro lugar. A lista poderia continuar.

Presença Suíça

Presença Suíça faz parte do Ministério das Relações Exteriores e tem a tarefa de proteger e promover os interesses da Suíça no exterior por meio de ferramentas de relações públicas. De acordo com o site, isso inclui a transmissão de conhecimentos gerais sobre a Suíça, a formação de opinião sobre a Suíça, bem como a representação da diversidade e da atratividade da Suíça.

End of insertion

Por outro lado, a situação é sombria quando se consideram os custos sociais e ecológicos causados pela Suíça em outras partes do mundo. Além disso, a Suíça ocupa o primeiro lugar no Relatório de Desenvolvimento Sustentável 2019 da Fundação Bertelsmann, que examina quais países impedem outros de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Ao contrário da Suécia, que também é um país rico, a Suíça é um dos primeiros na disputa pela distribuição mundial. O setor financeiro também tem uma aparência ruim. A Suíça não se destaca pela transparência tributária internacional, pelo combate à lavagem de dinheiro e ao fluxo de dinheiro na política. E no Índice de Facilidade de Fazer Negócios do Banco Mundial, que documenta a facilidade de fazer negócios e a regulamentação corporativa, a Suíça caiu do 15º para o 38º lugar nos últimos 12 anos. Mesmo que a qualidade da democracia e a igualdade de gênero sejam medidas, o resultado ainda é contraditório.

A indústria de índices e rankings tem seus próprios problemas de credibilidade. Mas a comunicação global de hoje se baseia, em grande parte, em tais instrumentos de medição e avaliação, de modo que as críticas fundamentais não vão muito longe. No entanto, o culto da quantificação e da classificação incentiva uma compreensão tecnocrática dos países. A fixação na colocação de listas em comparações internacionais ameaça tornar-se um substituto para decisões políticas prudentes. A Suíça deve ter o cuidado de não se deixar cegar por uma versão brilhante da sua imagem.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em "Das Magazin".

End of insertion

As opiniões expressas neste artigo são exclusivamente do autor, e não refletem necessariamente as opiniões de swissinfo.ch.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo