Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Os queijos mais consumidos na Suíça

O martelo, instrumento indispensável de trabalho.

(swissinfo.ch)

Os suíços consomem em média 20 kg de queijo por ano. Se o emmental é o mais produzido, não é o mais consumido. Perde para o gruyère que é ultrapassado pelo mozzarella.

As cifras são válidas para o ano 2003.

Em 2003, pelo segundo ano consecutivo, o mozzarella liderou as vendas de queijos na Suíça. As estatísticas indicam um consumo de 2.2 kg por habitante.

É o que informa a Organização Queijeira Suíça (KOS).

O gruyère ocupa a segunda posição com 2 kg, precedendo o queijo raclette, 1.6 kg. O séré chega em 4º. lugar, com 1.3 kg, em média por habitante, precedendo o emmental.

Boom do mozzarella

A venda de queijos, que incluem mais de 300 tipos, totaliza 148 mil toneladas.

Quanto ao aumento do consumo da mozzarella nos últimos dez anos, Othmar Raemy, marchand de gruyère, o atribui uma publicidade mais agressiva, destinada a promover um tipo de queijo que pode ser consumido de diferentes maneiras, em saladas e pizzas, por exemplo, e aporta menos calorias, para quem se preocupa com a linha.

Entre os outros queijos mais solicitados, figuram o tilsit, os diferentes tipos para passar no pão, queijos para fondue, o appenzel, vacherin fribourgeois, tête de moine, sbrinz, vacherin mon-d’or, o raclette...

Controvérsia

Não abordamos a controvertida questão relativa à combinação vinho-queijo. Mas no que diz respeito ao queijo gruyère, tocamos no assunto com um especialista. Sua resposta: “branco e tinto combinam bem com o gruyere. A tendência é dizer que queijo de massa dura combina com vinho branco, e de massa mole com vinho tinto. Considero exagero. Acho que é necessário um vinho seco e de caráter”.

Quanto à controvérsia de que o vinho deve ser leve para que o gosto do queijo apareça melhor, ele estima que “os dois devem ter a mesma exigência”: queijo encorpado, vinho encorpado. Vinho rosado, nem pensar.

Mas ele admite que se entra num domínio muito pessoal...


swissinfo, J.Gabriel Barbosa

×