Empregadores prevêem alta no mercado de trabalho

Os empregadores suíços esperam que o recrutamento se agilize nos primeiros três meses de 2018 - há sete anos que a classe não se mostra tão otimista, segundo pesquisa recente.

Este conteúdo foi publicado em 12. dezembro 2017 - 16:14
O ano novo deve trazer boas novas para quem procura emprego, já que vários empresários planejam mais contratações em 2018. Keystone


O relatório da agência sueca de recrutamento Manpower, que consultou 759 empregadores, previu que as perspectivas líquidas de recrutamento no primeiro trimestre de 2018 sejam de 3% - a previsão mais otimista desde o primeiro trimestre de 2011.

"Essa previsão otimista demonstra que a recuperação econômica deverá gradualmente afetar o mercado de trabalho suíço", disse Leif Agnéus, gerente geral da Manpower Suíça, em comunicado na terça-feira.

"O fortalecimento da economia global, o crescimento da zona do euro e a queda no franco suíço influenciam indubitavelmente os empregadores suíços, que estão de volta com confiança renovada - especialmente aqueles mais orientados para a exportação".

Os fatores chave de recrutamento são calculados comparando-se o número de empregadores que esperam um aumento nas suas taxas de emprego no primeiro trimestre, com aqueles que esperam uma diminuição.

Os empregadores da região de Zurique são particularmente otimistas (+ 7%). Em contrapartida, as empresas da Suíça central prevêem uma perda de empregos (-4%). Não se prevê nenhuma mudança no mercado de trabalho na região do Lago de Genebra.

De acordo com a Manpower, a maioria das novas vagas será criada pelos setores financeiro, imobiliário e de serviços (+ 10%), seguido pela indústria de transformação (+ 9%). A maioria dos cortes de empregos será visto no setor de construção (-4%), bem como em serviços públicos e sociais (-2%).

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo