Navigation

Falcão Peregrino nomeado Pássaro Suíço do Ano

Falcões peregrinos podem atingir velocidades de até 300 km/h quando mergulham atrás de uma presa Keystone

Quase extinto no passado, o falcão peregrino está se recuperando e foi reconhecido como Pássaro do Ano 2018 pela associação de proteção da natureza suíça Birdlife.

Este conteúdo foi publicado em 31. janeiro 2018 - 09:41
swissinfo.ch

Os falcões peregrinos, que podem chegar a velocidades de até 300 km/h ao mergulhar atrás de uma presa, foram extintos em muitos países europeus na década de 1950, afetados principalmente pelos efeitos tóxicos do pesticida DDT.

Além disso, ainda era permitido caçar o pássaro. Na Suíça, apenas uma pequena população remanescente sobreviveu, mas eles lentamente começaram a se recuperar depois que o DDT foi banido. Graças aos esforços de algumas organizações internacionais de proteção da natureza, o falcão peregrino voltou para muitas áreas da Europa e agora pode ser encontrado em todos os continentes, exceto na Antártida.

Hoje, o falcão peregrino enfrenta novos perigos. A Birdlife SwitzerlandLink externo registrou dezenas de envenenamentos nos últimos anos, causados principalmente por criadores de pombos.

Outros perigos para as espécies incluem os parques eólicos, o aumento do distúrbio dos seus viveiros e janelas de vidro que são invisíveis para os pássaros.

O Pássaro do Ano de 2017 foi o melro-d'água.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.