Navigation

Patrão da UEFA quer a cabeça de Sepp Blatter

Ruptura entre Blatter e Zen-Ruffinen parece inevitável Keystone Archive

Lennart Johansson, presidente da União Européia de Futebol pede demissão de Joseph Blatter, "para restaurar a credibilidade da FIFA". No pano de fundo, as eleições à presidência da entidade no fim do mês.

Este conteúdo foi publicado em 07. maio 2002 - 12:14

Novo episódio nessa novela em que os protagonistas principais são Sepp Blatter, patrão da FIFA, e o secretário geral da entidade, Michel Zen-Ruffinen.

O sueco, Lennart Johansson, presidente da União Européia de Futebol (UEFA), vem alimentando o litígio entre Zen-Ruffinen e Blatter.

Acusações

Vale lembrar que o secretário geral acusa seu patrão de envolvimento em corrupção, de autoritarismo e má administração.

Na sexta-feira, por ocasião de encontro do Comitê Executivo da FIFA, em Zurique, de que Johansson é membro, Zen-Ruffinen entregou um relatório aos participantes, denunciando Blatter que teria tomado decisões que o código penal suíço descrevem como crime.

Entre essas acusações, a de que um membro do Comitê recebeu, por ordem de Blatter, desde agosto de 2000, soma de 100 mil dólares para remunerar período em que não fora eleito - de 1998 e 2000.

Outra acusação: a de que se pagou ao árbitro africano, Lucien Bouchardeau US$ 25 mil para coletar informações sobre Farah Ado, delegado que botara a boca no trombone para denunciar irregularidades na votação de Blatter à presidência da FIFA, em 1998 (compra de votos).

Seul fecha novo capítulo

As divergências entre Johansson e Blatter vem intensificando à medida que se aproximam as eleições à presidência da FIFA, dia 29, em Seul. O patrão da UEFA, que perdeu para Blatter em 1998, é inimigo declarado do suíço.

Johansson apóia a candidatura de Issa Hayatou, presidente da Federação Africana de Futebol. Hayatou é o único a disputar o cargo com Blatter.

Zen-Ruffinen distanciou-se de Blatter depois que o presidente da FIFA suspendeu, dia 12 de abril, a investigação interna de uma comissão que devia esclarecer a saúde financeira da entidade.

Somas fabulosas

A comissão fora imposta em inícios de março por vários membros do Conselho Executivo na seqüência das falências do grupo de marketing da FIFA, ISL/ISMM, e do grupo alemão Kirch, detentor dos direitos da Copa do Mundo de 2002 e 2006.

A posição de Sepp Blatter vem se enfraquecendo nas últimas semanas. Já se indaga se ele sairá vencedor na queda-de-braço com o secretário geral. Os interesses são enormes. As somas administradas pela FIFA são superiores ao PIB da Belgica, Holanda e Luxemburgo reunidos.

swissinfo

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?