Navigation

Pequenas e médias empresas apostam na abertura

Diretores da USAM apóiam aproximação com a UE. Keystone Archive

A União Suíça de Artes e Ofícios (USAM) apóia os acordos bilaterais com a União Européia, a liberalização do mercado da eletricidade e é contra novos impostos.

Este conteúdo foi publicado em 11. fevereiro 2005 - 14:53

A organização representa as pequenas e médias empresas (PME), espinha dorsal da economia suíça.

Chega de defender apenas os interesses corporativos. A União Suíça de Artes e Ofícios (USAM) - organização representativa das pequenas e médias empresas -
aposta no liberalismo e na abertura para enfrentar os desafions econômicos do país, especialmente a carestia.

"A existência da Suíça depende, enquanto uma pequena economia aberta, de um mercado livre e sem entraves com o estrangeiro, particularmente com a União Européia", afirmou o presidente da USAM, Edi Engelberger, durante a conferência anual da organização.

Isso significa que a USAM vai fazer campanha pela aprovação dos acordos bilaterais II com a União Européia que serão submetidos ao voto popular ainda este ano.

Como a Suíça não é membro da UE mas dois terços de sua economia estão voltados para os vizinhos europeus, teve de negociar acordos bilaterais com Bruxelas.

Cortar despesas

Em 2005, a USAM prevê um crescimento muito pequeno da economia e taxa de desemprego estável. Na opinião das PME, o fraco crescimento deve-se ao déficit do Estado e por isso é preciso cortaz despesas ao invés de aumentar impostos.

"Não é mais possível ver de ano em ano o as despesas públicas aumentarem mais ao produto interno bruto (PIB): o Estado precisar gastar menos do que arrecada e não arrecadar mais", afirma Edi Engelberger.

As pequenas e médias empresas não querem, portanto, a introdução de novos impostos, embora reconheçam que a Suíça ainda é mais competitiva em matéria fiscal em comparação européia.

As PME reclamam, no entanto, do excesso de horas em tarefas administrativas, afimando que o Estado suíço é mais burocrático do que os vizinhos europeus. Quer ainda a redução de encargos e uma reforma fiscal para as empresas.

Por reformas corajosas

«Quremos reformas corajosas em setores que ainda estão muito regulamentados. Não deve haver mais um setor tabú, da agricultura ao mercado da eletricidade e até a cooperação ao desenvolvimento", afirma Engelberger.

Em resumo, a USAM quer mais concorrência e defende a abertura aos domingos dos centros comerciais nas estações ferroviárias e aeroportos, constestada por um referendo, e quer mesmo extendê-la a outras zonas.

swissinfo.

Breves

São consideradas como PME as empresas com menos de 250 funcionários. 89,7% delas têm menos de 10 funcionários.

Na Suíça, as PME constituem 99,7% das empresas privadas e empregam 66,8% da população ativa.

Fundada em 1879, a União Suíça de Artes e Ofícios (USAM) congrega atualmente 210 associações profissionais.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?