Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Política cultural toma novo rumo

O diretor da Secretaria Federal de Cultura, Jean-Frédéric Jauslin, à esquerda, no local do novo Centro de Pesquisa e Arquivo do Cinema Suíço.

(Keystone)

A política cultural da Suíça recebeu um impulso com o parlamento aprovando um orçamento de 669,5 milhões de francos (US$ 742 milhões) a serem gastos em quatro anos.

O plano é 31,6 milhões a mais que o orçamento proposto pelo governo e aumentará significativamente o financiamento do cinema e da proteção do patrimônio, principalmente dos monumentos.

Mas para um dos principais organismos culturais da Suíça, o Pro Helvetia, foi negado financiamento adicional apesar de seu argumento de que recebera novas missões como o apoio à fotografia e às artes digitais.

Com a definição do orçamento da cultura para 2012-2015, é a primeira vez que o Governo e o Parlamento lançam uma política conjunta de quatro anos de apoio às atividades culturais, resultado da introdução da nova lei de promoção cultural, que entra em vigor a partir de janeiro.

"É realmente o início de uma política cultural conjunta", declarou à swissinfo.ch Jean-Frédéric Jauslin, diretor da Secretaria Federal de Cultura.

Com a nova lei, as autoridades federais terão mais contato com as atividades culturais, trabalhando mais estreitamente com os cantões e os municípios, que são tradicionalmente na Suíça, os principais responsáveis do apoio à cultura.

Envolvimento político

Além de concordar em aumentar o financiamento para o cinema e a proteção do patrimônio cultural e monumentos em um total de 30 milhões de francos, o parlamento também aposta em projetos locais menores.

O Museu do Esporte de Basileia receberá, por exemplo, 600 mil extra, e o Museu Alpino Suíço, em Berna, 500 mil.

O diretor da Pro Helvetia, Pio Knüsel disse que, enquanto havia diferenças claras entre os conceitos culturais da esquerda e da direita, era legítimo que o Parlamento debatesse o papel das organizações culturais que, no caso da Pro Helvetia, é inteiramente financiado pelo contribuinte.

"O problema é que temos muitas novas tarefas, como o apoio à fotografia ou às artes digitais da Suíça, mas o parlamento não nos concedeu um orçamento proporcional e esta é a grande luta que vem acontecendo", disse Knüsel, acrescentando que a organização é, efetivamente, refém dos caprichos do parlamento.

Para a antropóloga Florence Graezer Bideau, professora da Escola Politécnica Federal de Lausanne, a definição do orçamento federal para a cultura perdeu a oportunidade de abrir um debate público sobre a cultura suíça.

"Infelizmente, essa nova lei não provocou um verdadeiro debate sobre a questão da cultura nacional suíça", disse.

"A mensagem cultural é mais ou menos uma mensagem que explica o novo orçamento e como ele será dividido entre os vários grupos... não há realmente nada de novo além da menção de arte digital e de patrimônio cultural intangível. Eu acho que muitos especialistas culturais ficaram desapontados com isso."

Definição de cultura

Com a lei de incentivo à cultura, novos mecanismos serão criados para o diálogo entre os cantões e as autoridades federais sobre as questões culturais e o acesso às instalações e atividades culturais - teatro, cinema, música - para os jovens será melhorado.

"Também queremos modificar a imagem internacional da Suíça", disse Jauslin, apontando para o Índice de Marcas das Nações, que revelou que os estrangeiros reconhecem a Suíça pelos seus bancos, montanhas e chocolate, mas "realmente não acham que somos um país cultural".

Então, o que é cultura suíça? Knüsel disse que os últimos 20 anos da globalização forçou uma mudança do ponto de vista da cultura suíça como sendo algo que cria identidade e codifica o espírito suíço.

"Tal definição de arte e cultura da Suíça não pode ser mais defendida", disse Knüsel.

"Partimos de uma definição muito simples. Cultura suíça é qualquer tipo de trabalho artístico que emana de pessoas que tenham um passaporte suíço ou que vivem e trabalham no país."

Para Graezer Bideau, a cultura suíça é algo difícil de definir, porque é uma mistura de modernidade e tradição, de diferenças urbanas e rurais, religiosas e linguísticas. A falta de determinação do estado federal também não ajuda em nada.

Mas, segundo ela, a nova lei, juntamente com a ratificação da Suíça da Convenção da UNESCO para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, deu um sinal de que o país estava tentando ter uma "nova perspectiva" sobre questões de cultura e patrimônio.

"Acho que essa nova lei tenta apoiar a diversidade cultural, e o patrimônio cultural imaterial está incluído nela", disse.

"Ficou claro que as associações locais e amadoras serão apoiadas, particularmente para melhorar a transmissão e a difusão entre os jovens."

grandes negócios

Cerca de 200 mil pessoas estão empregadas no setor cultural da Suíça, o equivalente a 41600 empregos a tempo integral.

Os gastos públicos com a Cultura, incluindo os 669,5 milhões do erário federal, aumentarão para cerca de 2,4 bilhões de francos por quatro anos.

Estima-se que as contribuições privadas ao setor, incluindo cerca de 12000 fundações privadas e patrocínios de empresas para as artes e a cultura, cheguem a 1,5 bilhão por ano.

Segundo Jean-Frédéric Jauslin, "Existem mais pessoas trabalhando com cultura na Suíça do que em bancos, e a contribuição anual da cultura para o PIB é de cerca de 17,7 bilhões de francos, o que é mais do que a indústria relojoeira, por isso ela é muito importante para a economia".

Aqui termina o infobox

Lei para promover a Cultura

Aprovada pelo parlamento em dezembro de 2009, a lei tem como objetivos:

- Definir claramente a política cultural federal em relação aos cantões e municípios

- Dividir as responsabilidades entre as autoridades federais e Pro Helvetia

- Definir as diretrizes da política cultural da Suíça

- Fornecer financiamento para a promoção cultural

- Dinamizar atividades promocionais no nível federal

- Definir novas tarefas para a Secretaria de Cultura para a promoção da educação musical e preservação do patrimônio cultural

- Modernizar Pro Helvetia

Aqui termina o infobox

Pro Helvetia

No atual orçamento de quatro anos, 2008-2011, Pro Helvetia recebeu em torno de 25 milhões de francos por ano para projetos culturais, 43% na Suíça e 57% no exterior.

68% dos fundos operacionais apoiam projetos de terceiros, 17% escritórios de apoio e centros culturais, 12% programas, 3% informações sobre as atividades culturais.

Pro Helvetia recebe cerca de 3.300 pedidos de subvenção por ano, e aprova cerca de 52%. A subvenção máxima é de cerca de 300 mil francos para um projeto de grande escala, envolvendo várias disciplinas.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.