Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Policiais acompanharam suíços ao Euro 2004

Briga de torcedores na final da Copa suíça, em 2002.

(Keystone Archive)

Policiais suíços especializados em ações contra os vândalos dos estádios (hooligans) foram enviados ao Euro, em Portugal, para vigiar torcedores suíços.

Eles trabalham junto com a polícia portuguesa nos jogos da Suíça, durante a competição.

Os especialistas do vandalismo nos estádios de futebol (hooliganismo) estimam que 99% dos torcedores suíços não causam problemas, mas não querem correr riscos com a ínfima minoria.

"Conhecemos as pessoas que causam problemas e vamos tentar separá-los dos outros torcedores, com a ajuda da polícia portuguesa". A explicação é de Eric Minuz, especialista do "holliganismo" na polícia de Zurique.

Atuação aberta

Os quatro policiais especializados vão trabalhar exclusivamente com a torcida suíça, nos jogos da seleção suíça.

Por enquanto, estão previstos três partidas: dia 13 de junho, contra a Croácia; dia 17, contra a Inglaterra e dia 21 contra a França. Se a Suíça se classificar, haverá outros jogos.

Os policiais trabalharão nas imediações dos estádios e serão perfeitamente reconhecíveis pelos torcedores suíços.

"Quando as pessoas são identificadas, ficam menos à vontade para cometer atos de violência, principalmente num país estrangeiro", explica Roland Schibli, o policial que será responsável pelo grupo, em Portugal.

300 à 400 hooligans suíços

A decisão de enviar os policiais especializados a Portugal demonstra que o "hooliganismo" continua sendo um problema na Suíça.

No início de maio, por exemplo, torcedores de Basiéia causaram grandes estragos no estádio de Thoune, perto de Berna, ao final da partida em que o clube deles, o Basiléia FC, ganhou o campeonato suíço.

Na viagem de volta, os mesmos vândalos quase destruiram o trem especial que os transportava.

Esse não foi um caso isolado. Incidentes similares são vistos com certa freqüência nos estádios, principalmente com torcedores de Basiléia e Zurique.

Eric Minus calcula que existem entre 300 e 400 "hooligans" na Suíça, mas que eles agem mais nos jogos de seus clubes do que da seleção suíça.

"Não temos nada comparável com o que ocorre na Inglaterra, na Alemanha, na Holanda ou mesmo na Itália. Mas não sabemos ainda quendos "hooligans" suíços irão a Portugal" acrescenta Minuz.

O jogo de maior risco

Os policiais teme que grupos de cerca de vinte vândalos aproveitem o Euro para enfrentar grupos de vândalos de outros países.

"Acho que o jogo contra a Inglaterra será o mais arriscado, porque alguns verão a possibilidade de brigar com os rivais ingleses", prevê Roland Schibli.

Ele descreve o vândalo típico dos estádios como tendo de 15 a 35 anos e à procura de emoções fortes. "Ele quer mostrar que é um homem duro e mais forte que os outros", explica.

No fundo, nos três jogos da Suíça podem ocorrer incidentes. Isso vai depender muito do desempenho das outras equipes e das chances da Suíça chegar às quartas-de-final.

"Nesse caso, até o jogo contra a França pode causar problemas mas, por enquanto, isso é só especulação", afirma Schibli.

Viajar não será proibido

A polícia suíça reconhece que tem poucos meios de impedir que os vândalos conhecidos viagem a Portugal.

Ao contrário das britânicas, as autoridades suíças não têm o direito de impor restrições de viagem aos indivíduos considerados de alto risco.

O governo britânico anunciou que mais de 2.400 "hooligans" conhecidos serão impedidos de viajar para Portugal.

"Não temos esse amparo legal. Não podemos impedir ninguém de sair da Suíça, a menos que não tenha passaporte, e só poderemos mandar de volta que infringir a lei portuguesa", esclarece Schibli.

O faro do incidente

A equipe de especialistas suíços afirma que está bem preparada para identificar os vândalos potenciais.

"É um trabalho intuitivo. Podemos indenficiar um "hooligan" a cem metros de distância pela maneira como anda, seu comportamento e até suas roupas", explica Eric Minuz.

"É como num concerto de música clássica. Tem sempre gente que não gostaria de estar lá e não interessada no que acontece no palco. Com os vândalos é a mesma coisa. Eles não prestam atenção no que ocorre no gramado", conclui Minuz.

swissinfo, Jacob Greber, Zurich
(Adaptação, Claudinê Gonçalves)

Fatos

Jogos da Suíça:
Contra a Croácia, dia 13 de junho
contra a Inglaterra, dia 17 de junho
contra a França, dia 21 de junho

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×