Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Ativista brasileiro recebe "Prêmio Norte-Sul"

Franklin Frederick (esq.) recebe apoio e prêmio na Suíça.

(Keystone)

O ativista brasileiro Franklin Frederick recebeu o "Prêmio Norte-Sul contra o Esquecimento" por sua luta internacional contra a privatização da água.

O prêmio no valor de 20 mil francos foi entregue no domingo (21/6) pela Casa Romero e a Sociedade Missionária Bethlehem, em Lucerna, no centro da Suíça.

Frederick foi distinguido entre 30 candidatos por seu "trabalho de formação de um movimento internacional de proteção à água como bem público", conforme a justificativa do júri.

"A vida precisa de água e a água precisa de gente corajosa como Franklin Frederick", disse a bioquímica e especialista nesse assunto Joan S. Davis, em sua saudação ao premiado.

Frederick Franklin tornou-se conhecido na Suíça por liderar um movimento contra a privatização de fontes, por exemplo, na região de São Lourenço (Minas Gerais) contra projetos da multinacional Nestlé, que pretendia explorá-las para a produção da água "Pure Life".

Apoio suíço



Esse movimento recebe apoio de várias organizações, como a Conferência dos Bispos Suíços (CBS), a Federação das Igrejas Protestantes da Suíça (FIPS) e a seção francesa da organização antiglobalização Attac, que enviaram mensagens de felicitações ao premiado. A Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB) foi representada pelo bispo Tomás Balduíno, fundador da Comissão Pastoral da Terra.

A CBS destacou em uma carta que, "com seu kwow-how e empenho, Frederick fomentou a conscientização na Suíça e no Brasil pelo direito humano à água". Nesse sentido, ele teria tido participação decisiva na elaboração da "Declaração Ecumênica sobre a Água como Direito Humano e Bem Público", assinada em 2005 pela CBS e a CNBB.

"O prêmio manifesta o apoio de vários setores da sociedade suíça e das igrejas a esse trabalho em defesa da água como direito humano e bem público", disse Frederick à swissinfo.ch. Ele disse que é "preocupante" o fato de o governo brasileiro ter se posicionado contra esse direito humano no Fórum Mundial da Água em Istambul, em março passado.

"O governo alegou que declarar a água como direito humano permitiria a outros países exigir acesso à água no Brasil. Mas na verdade isso significa que estamos no caminho da privatização da água", disse o ativista.

Desafio



Frederick lamentou durante a entrega do prêmio que não tenha conseguido até agora conversar com os responsáveis pelo setor de água da Nestlé. "A Nestlé quer impedir que a problemática da água seja internacionalizada", disse.

Anne-Marie Holenstein, especialista em cooperação ao desenvolvimento e integrante do júri, disse que a premiação de Franklin Frederick significa também "um desafio para as pessoas na Suíça".

"Nosso país é um castelo seguro de água, pelo qual nós somos responsáveis, mas também é sede de poderosos interesses econômicos, cujas posições em relação a esse bem público devemos discutir", disse.

Geraldo Hoffmann, swissinfo.ch

Prêmio Norte-Sul

O "Prêmio Norte-Sul" é concedido pela Casa Romero e a Sociedade Missionária Bethlehem (Belém) a cada dois anos desde 2002.

Já foram distinguidos anteriormente os projetos "Bicicletas para África", da Suíça e de Burkina Faso, a ONG de defesa dos direitos humanos "Vida, Justiça e Paz" da Colômbia e a iniciativa "Mulheres de Krajiska" de assistência a idosos e formação de mulheres solteiras na Bósnia e Herzegowina.

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×