Navigation

Corpo de missionária suíça é encontrado no Mali

Beatrice Stöckli foi sequestrada duas vezes no Mali (retratada aqui sendo liberada em 2012), mas acabou sendo morta por seus sequestradores na segunda ocasião. Copyright 2020 The Associated Press. All Rights Reserved.

Os restos mortais da missionária suíça que havia sido sequestrada por terroristas islâmicos, e já declarada morta, foram identificados no Mali.

Este conteúdo foi publicado em 01. abril 2021 - 12:00
swissinfo.ch/fh

Beatrice Stöckli tinha sido feita refém no Mali em 2016 pelo grupo jihadista Jama'at Nusrat Al-Islam wa'l-Muslimin (JNIM). Em outubro do ano passado, o Ministério das Relações Exteriores da Suíça anunciou que ela havia sido morta por seus sequestradores.

Mas até agora, o corpo de Stöckli não havia sido recuperado. Seus restos mortais foram encontrados pelas autoridades malienses e testes de DNA confirmaram sua identidade, anunciou na quarta-feira um comunicado de imprensaLink externo do governo suíço.

"Infelizmente, agora temos provas definitivas de que a mulher que foi mantida refém está morta", disse o Ministro das Relações Exteriores Ignazio Cassis. "Mas também estou aliviado por podermos devolver os restos mortais da mulher à sua família e gostaria de transmitir minhas mais profundas condolências a seus familiares. Também gostaria de agradecer às autoridades do Mali por sua ajuda para ajudar a identificar o corpo".

Stöckli morou no Mali durante vários anos, trabalhando com crianças locais. Ela foi sequestrada pela primeira vez em 2012, mas foi libertada após alguns dias em cativeiro. Quatro anos depois, ela foi raptada pela segunda vez e desta vez morta.

Durante uma visita ao Mali em fevereiro, Cassis levantou o caso da ainda desaparecida missionária e pediu às autoridades que recuperassem seu corpo e esclarecessem as circunstâncias exatas em torno de sua morte.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.