Navigation

Crise de ajuda: em momento de fragilidade global, quem ajudará o próximo?

Embora fosse possível imaginar que uma pandemia global levaria à cooperação multilateral, ocorreu exatamente o oposto. O analista Daniel Warner escreve que as Nações Unidas terão dificuldade em convencer as nações a ajudar um recorde de 235 milhões de pessoas que precisarão de assistência no próximo ano.

Este conteúdo foi publicado em 17. dezembro 2020 - 14:00
Daniel Warner é cientista político suíço-americano e ex diretor-adjunto do Instituto de Pós-Graduação de Genebra

A época festiva é um momento particular de amizade e solidariedade. O final do ano também é um momento tradicionalmente promissor para a arrecadação de fundos por organizações de caridade.

O chefe de ajuda emergencial das Nações Unidas recentemente pediu US $ 35 bilhões (CHF31 bilhões) para ajudar os “mais vulneráveis ​​e frágeis” do mundo em 2021. Os argumentos de Mark Lowcock para doações, apresentados na Visão Geral Humanitária GlobalLink externo (GHO), foram bem documentados. Descrevendo a situação como “desesperadora”, ele apontou para um recorde de 235 milhões de pessoas que precisarão de assistência humanitária em 2021, um aumento de 40% a partir de 2020 devido à Covid-19, bem como conflitos contínuos, pessoas deslocadas e choques de mudança climática. De acordo com o relatório, “A pobreza extrema aumentou pela primeira vez em 22 anos ... No final de 2020, o número de pessoas com insegurança alimentar aguda pode chegar a 270 milhões”.

Outros funcionários da ONU ecoaram o mesmo apelo. Numa mensagem gravada para o lançamento do GHO, o Secretário-Geral da ONU António Guterres advertiu que “o conflito, as alterações climáticas e a COVID-19 criaram o maior desafio humanitário desde a Segunda Guerra Mundial…. O sistema humanitário mais uma vez provou seu valor em 2020, distribuindo alimentos, remédios, abrigo, educação e outros itens essenciais para dezenas de milhões de pessoas. Mas a crise está longe de terminar. Os orçamentos de ajuda humanitária enfrentam quedas terríveis à medida que o impacto da pandemia global continua a piorar”. 

“… Os países mais ricos precisam ajudar os países mais pobres a sobreviverem a esta crise e se recuperarem melhor”, exigiu Michel Bachelet, Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em uma declaração nas recentes celebrações do Dia dos Direitos Humanos. 

“Reparar o desgastado sistema de multilateralismo será essencial para administrar a recuperação. O trabalho deve começar em casa, mas os líderes em países poderosos precisam mais uma vez reconhecer que, mais do que nunca, nosso mundo só pode enfrentar os desafios globais por meio da cooperação global”, apontou.

Ninguém pode negar que as crises humanitárias se aprofundaram. Os números são evidentes. Também não se pode argumentar contra o apelo à cooperação internacional para aliviar o sofrimento dos mais vulneráveis ​​em 56 países. Os países ricos investiram cerca de US $ 10 trilhões para evitar o colapso econômico da pandemia em seus países, de acordo com Lowcock. Por que essas nações não podem ajudar as pessoas que vivem nos países mais pobres?

A primeira resposta é bastante simples. Os países se voltaram para dentro. Embora se pudesse pensar que uma pandemia global teria levado à cooperação multilateral, ocorreu exatamente o oposto. O nacionalismo minou a cooperação global. A Organização Mundial da Saúde, por exemplo, perdeu seu papel oficial de liderança na pandemia para os países mais poderosos.

E, economicamente, certamente é um exagero intuitivo pedir aos países que usem seus orçamentos limitados para ajudar as pessoas no exterior quando precisam de todos os seus recursos para estimular suas próprias economias. Com milhões de desempregados nos países mais ricos, especialmente no Norte, seria suicídio político para os líderes eleitos usar recursos escassos que beneficiam os cidadãos nacionais para ajudar os não cidadãos fora das fronteiras.

Quais são as nossas obrigações para com os estrangeiros mais vulneráveis? Quais são nossos deveres para com aqueles que estão além de nossas fronteiras? Stanley Hoffman, especialista em relações internacionais, fez essa mesma pergunta em um livro clássico Duties Beyond Borders, no qual examina os limites e possibilidades da política ética.

Nem utópico de olhos arregalados nem realista obstinado, Hoffmann tentou encontrar um espaço entre o estreito interesse nacional e as obrigações universais. “... a menos que baixemos a barreira e avancemos para a aceitação de restrições e obrigações positivas além das fronteiras”, argumentou, “o mundo está condenado a permanecer uma selva ...”

O livro foi publicado em 1981, muito antes que o idealismo da audácia da esperança de Barack Obama tivesse desaparecido e o realismo reacionário de Donald Trump, “America First”, viesse à tona. O espaço para uma política externa ética por parte dos governos diminuiu com a pandemia e o cansaço da crise. Esse estreitamento não é verdadeiro apenas nos Estados Unidos. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou que fundirá o Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID) com o Ministério das Relações Exteriores, transferindo uma das principais agências de ajuda humanitária do mundo para a esfera política. O orçamento de £ 15 bilhões do DFID, 0,7% do PIB, será reduzido para 0,5% à medida que as necessidades internas clamam por mais recursos.

A pandemia causou sofrimentos incomensuráveis ​​em todo o mundo. Expandiu e aprofundou radicalmente as desigualdades. Pedir aos países mais ricos que contribuam para ajudar os mais vulneráveis ​​além de suas fronteiras quando seus próprios cidadãos estão sofrendo é uma demanda gigantesca. Por outro lado, na época da dádiva e da solidariedade, se quem tem mais não ajuda quem tem menos - onde quer que esteja - quem o fará?

As opiniões expressas neste artigo são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as opiniões da swissinfo.ch.

End of insertion

Série de opinião

swissinfo.ch publica artigos de opinião de colaboradores que escrevem sobre uma ampla gama de tópicos - questões suíças ou que afetam a Suíça. A seleção dos artigos apresenta uma diversidade de opiniões que visa enriquecer o debate sobre os temas discutidos.

End of insertion

Adaptação: Clarissa Levy

Partilhar este artigo