Berna, capital mundial da democracia em 2020

Cientistas políticos e outros especialistas se encontrarão em Berna para discutir os temas atuais ligados à democracia. © Marcel Bieri

Berna será palco no ano que vem da nona conferência mundial sobre a democracia direta moderna. A notícia foi anunciada pelas autoridades da capital suíça, também patrimônio mundial da humanidade.

Este conteúdo foi publicado em 26. março 2019 - 13:00
swissinfo.ch/dos,urs

A nona edição do "Global Forum on Modern Direct Democracy" ocorrerá em Berna, de 23 a 26 de setembro de 2020. A expectativa é que 500 participantes vindo de 50 países participem. Os principais temas a serem discutidos: direitos cívicos, especialmente a participação do povo na democracia.

Segundo o prefeito de Berna, Alec von Graffenried, apesar de a capital helvética ter "apenas" 135 mil habitantes, ela tem todos os requisitos para brilhar como a capital mundial da democracia mesmo sem ter as dimensões de Seul, São Francisco e Roma, as outras capitais que já abrigaram o evento.

Este artigo é parte de #DearDemocracy, a plataforma para a democracia direta da swissinfo.ch. Autores de destaque também expressam seus pontos de vista aqui. Suas posições não coincidem necessariamente com as da SWI swissinfo.ch.

End of insertion

Combinação perfeita

"A conferência e seus objetivos se encaixam perfeitamente na capital da Suíça, com sua tradição de democracia direta e esforços para expandir a participação popular", afirmou Graffenried.

 O governo local vê o congresso como uma oportunidade de promoção da democracia sustentável. Além disso, combina a oportunidade com um plano ambicioso: "O evento dará à capital a oportunidade de assumir a liderança nos esforços internacionais de promoção da democracia direta."

"A democracia direta é um modelo político de sucesso", reforçou Alec von Graffenried. completando. "Mas também pode criar confusão e incerteza, como demonstrou o referendo de 2016 na Grã-Bretanha, onde os eleitores britânicos decidiram deixar a União Europeia (UE). "O exemplo do Brexit mostra as oportunidades e os riscos da participação cidadã na tomada de decisões políticas", acrescentou.

Pequena, mas importante, diferença

Aqui é importante salientar a diferença entre um plebiscito e o sistema de democracia direta: ambos se concretizam na forma de referendos. A diferença crucial, que foi subestimada pelo então primeiro-ministro David Cameron, é o caminho tomado até chegar à votação.

O referendo do Brexit foi um plebiscito, ou seja, um referendo estabelecido de cima para baixo. A democracia direta, por outro lado, baseia-se em direitos populares como a iniciativa popular e o referendo, que os cidadãos podem exercer por iniciativa própria. 

A democracia direta vem, pois, por si só, de baixo para cima.

Círculo fecha-se

Mas não só Berna, também a Suíça, campeã mundial em democracia direta, será destaque no evento do próximo ano.

Os participantes terão acesso a informações em primeira mão sobre o funcionamento da democracia direta na Suíça tanto em nível federal como regional e local. Outros tópicos da lista incluirão federalismo, instrumentos democráticos diretos e a participação popular.

Para Bruno Kaufmann, cofundador do Fórum Global, o evento em Berna representa uma volta à Suíça, pois o primeiro encontro mundial ocorreu em 2008 no recém-fundado Centro para a Democracia em Aarau.

Hoje, o centro é um dos principais endereços na Europa para pesquisa na área da democracia e já organizou eventos semelhantes na Ásia, América do Norte e do Sul e África.

"O mundo mudou drasticamente nestes 12 anos. Naquela época, o sistema suíço era considerado uma curiosidade. Hoje é uma referência", afirma Kaufmann, um jornalista que também trabalha para a swissinfo.ch como autor.

Outras democracias mais avançadas

Nos últimos tempos a democracia fez não só progressos na Suíça: outros países também desenvolveram ideias inovadoras para a participação popular.

Para Kaufmann, os pontos onde a Suíça poderia melhorar são a transparência do financiamento político, a integração de estrangeiros na política nacional e na digitalização dos processos eleitorais.

O evento anual é apoiado, dentre outros, pela Fundação Suíça para a Democracia e pela ONG Democracia Internacional. #DearDemocracy, a plataforma da swissinfo.ch para a democracia direta, é o parceiro de mídia do evento.

Após a edição do ano passado em Roma, onde foi lançada a Carta Magna para uma Liga Global de Cidades Democráticas Inovadoras, o Fórum Global ocorre em 2019 na ilha de Taiwan (2 a 5 de outubro de 2019) em Taichung, uma cidade com mais de um milhão de habitantes.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo