Cidadãos de 2ª classe?

O direito de voto para estrangeiros em nível municipal faz todo o sentido

Os estrangeiros que vivem na Suíça têm obrigações, mas não o direito de voto. É exatamente o contrário para os suíços no exterior. Uma injustiça segundo Paul Widmer, ex-embaixador suíço.

Paul Widmer, ex-embaixador e conferencista

Sim, os estrangeiros que vivem na Suíça não têm direitos suficientes, enquanto os suíços que vivem no estrangeiro têm direitos demais. Os primeiros não têm o direito de participar das decisões dos assuntos que lhes dizem diretamente respeito, os segundos, por outro lado, podem decidir assuntos que não lhes dizem mais respeito. 

Não conheço nenhum país onde as condições sejam tão favoráveis à integração de estrangeiros

End of insertion

Em bom Estado, a relação entre direitos e deveres é equilibrada: não há direitos sem deveres e não há deveres sem direitos. Aqueles que têm de suportar as consequências de uma decisão devem também ter a oportunidade de participar na sua elaboração.

Poderíamos argumentar que isto é correto, mas que só se aplica aos suíços. Será mesmo? Com uma população estrangeira de mais de dois milhões de pessoas, precisamos de estrangeiros adaptados e capazes. Não se deve esquecer que, pela sua natureza, a Suíça está predisposta a integrar todas as camadas da sociedade. 

- Em primeiro lugar, somos uma democracia de consenso e não uma democracia maioritária.

- Em segundo lugar, o federalismo permite que várias soluções sejam consideradas - uma vantagem significativa em relação a um modelo centralizado que não prevê variantes. 

- Em terceiro lugar, precisamos preencher muitos cargos públicos, especialmente a nível municipal, onde a integração deve começar. Não conheço nenhum outro país onde as condições sejam tão favoráveis à integração dos estrangeiros. 

Por que não aproveitar melhor esta vantagem nos municípios e nas escolas? No nível federal, no entanto, o direito de voto e de elegibilidade só deve ser concedido após a integração bem-sucedida e ao mesmo tempo que a naturalização.

Cantões pioneiros

Em alguns cantões, os estrangeiros já podem votar há muito tempo, particularmente em Neuchâtel, onde eles têm este direito a nível municipal desde 1849. A prefeita de Zurique, Corine Mauch, pede agora que os municípios de Zurique sejam autorizados a conceder direitos de voto aos estrangeiros que vivem, trabalham e pagam impostos aqui há dois anos. Isto é razoável, embora um período de espera de apenas dois anos seja questionável. Porque os recém-chegados devem primeiro familiarizar-se com as especificidades locais. 

Na diplomacia, assumimos que os diplomatas se enraizarão em um novo lugar após quatro anos. É por isso que eles são transferidos para outro lugar. De acordo com esta medida, uma grande proporção de estrangeiros deve estar mais ou menos adaptada após quatro anos.

Passemos agora ao outro grupo, os 750.000 suíços no estrangeiro. Eles podem participar das eleições e votações realizadas na Suíça, mas não têm que suportar as consequências. Em 2015, eles chegaram mesmo a fazer pender a balança em uma votação cujo resultado foi decidido por um fio. Enquanto a maioria dos suíços residentes no país se opôs, o voto dos suíços no estrangeiro impôs-lhes uma nova taxa de licença de rádio e televisão não associada à propriedade de um aparelho - um imposto que os suíços no estrangeiro não têm de pagar. Trata-se de uma violação do princípio do equilíbrio entre direitos e deveres.

Muitos suíços que vivem no estrangeiro demonstram um forte apego à sua pátria. A Suíça tem todos os motivos para estar satisfeita com esta lealdade. Mas o direito de votar e de ser eleito não faz parte disso. Somos muito mais severos no interior do país. 

Como cidadão de St. Gallen residente em Berna, estou tão interessado no que acontece no meu cantão de origem como na política cantonal de Berna. Mas essa não é razão suficiente para eu votar lá. Só obterei este direito se regressar a St. Gallen e assumir as obrigações que isso implica.

Estou bem ciente de que, com estas críticas, não vou fazer amizade com os suíços no estrangeiro. Mas gostaria de abordar abertamente algumas dessas disfunções. A dupla nacionalidade é outra. É injusto e viola um princípio fundamental do direito. Os binacionais têm mais direitos do que quem tem uma só nacionalidade, porque podem eleger os governos de dois países.

Perfil

Paul Widmer (*1949). O ex-embaixador é professor de relações internacionais na Universidade de St. Gallen. Como diplomata, esteve lotado nas Nações Unidas em Nova York, Washington e Jordânia. Mais recentemente, dirigiu a Embaixada da Suíça na Santa Sé em Roma.

End of insertion

Também não é raro a dupla nacionalidade pesar nas relações internacionais. Neste verão, o presidente russo Vladimir Putin facilitou aos ucranianos a obtenção de um passaporte russo - juntando-se à Hungria e à Romênia, que, por razões facilmente discerníveis, já distribuíram generosamente os seus passaportes na Ucrânia Ocidental. Como pode um Estado continuar a defender a sua soberania nestas circunstâncias?

Três quartos dos suíços do estrangeiro têm uma segunda nacionalidade. A Comissão Federal de Migração pergunta justamente até que geração eles podem reivindicar o direito de voto e de elegibilidade. Parece necessária uma correção. Ela deve ir nesse sentido: um pouco mais de direitos para os estrangeiros na Suíça e um pouco menos para os suíços no estrangeiro - a fim de restabelecer o equilíbrio entre direitos e deveres.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo