Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Política de imigração A Suíça e os estrangeiros: pragmatismo

Mais de dois anos depois da votação de 9 de fevereiro de 2014, a Suíça continua a se questionar como vai conciliar as cotas aprovadas na votação popular e a livre circulação. Enquanto as negociações com a UE, olhamos pelo retrovisor um século de imigração, em um país onde o bom estrangeiro é primeiro um estrangeiro útil. 

Sazonais italianos na plataforma de uma estação em 1956. Durante décadas, eles faziam ida e volta: nove meses na Suíça, três meses na Itália.

(RDB)

Os imigrantes muito contribuíram a construir a Suíça moderna. Em 1914, eles já formavam 15% da população do país. Eles vêm sobretudo da França, Alemanha e Itália. Alguns são banqueiros ou industriais, mas a maioria trabalha na agricultura, nas fábricas ou na construção das ferrovias. Durante a Primeira Guerra Mundial, as tensões interiores são fortes entre os que apoiam a Alemanha e os que têm o coração batendo pela França. Com a crise econômica decorrente surge o receio de “Überfremdung”, estrangeiros demais, vistos doravante como uma ameaça à coesão nacional.

É nesse clima que o governo federal elabora em 1931 a primeira Lei Sobre os Estrangeiros. “Ela contém realmente a ideia que a Suíça mão é um país de imigração e que os estrangeiros só podem fazer estadias temporárias. É a lógica do famoso estatuto de sazonal”, nota Etienne PiguetLink externo, professor de geografia humana Universidade de Neuchâtel e autor de “A imigração na Suíça, 60 anos de pequena abertura”.

Ao final da Segunda Guerra Mundial, a Suíça precisa de braços. Abre então a grande torneira da imigração e, quando a economia desacelera, ela fecha um pouco. É o caso em 1963, quando o governo federal introduz pela primeira vez uma cota máxima de sazonais por cantão.

O longo caminho para a integração

“Gastarbeiter” (trabalhadores hóspedes), “Fremdarbeiter” (trabalhadores estrangeiros): a terminologia é clara. O estrangeiro – sobretudo italiano na época – é bem-vindo para trabalhar, mas não mais. Em Roma, portanto, não se aceita essa prática. Em 1964, cedendo à pressão constante da Itália, a Suíça acaba por conceder a possibilidade de transformar depois de cinco anos a permissão sazonal em permissão anual e outorga aos trabalhadores italianos o direito ao reagrupamento familiar, até então recusado. 

No mesmo ano é lançado em Zurique a primeira iniciativa popular “contra o controle estrangeiro”, que será retirada antes de ser submetida ao voto. A segunda chega em 1970, sustentada pelo deputado da Ação Nacional James Schwarzenbach. Ela pretende limitar o número de estrangeiros a 10%. El foi recusada por 54% dos votos. As seguintes (1974 e 1977) também serão rejeitadas claramente. Entretanto, o governo instaurou uma Comissão Federal dos Estrangeiros, que preconiza a integração e naturalização aceleradas.

“Começou-se a admitir que essas pessoas fazem parte de nossa sociedade, que elas não voltam e que uma segunda geração nascia na Suíça. É realmente o ponto de partida da política de integração”, explica Sandro CattacinLink externo, sociólogo na Universidade de Genebra, que estudou muito as questões ligadas à imigração.

Depois da onda xenófoba dos anos 1970, a esquerda contra-ataca com uma proposta de suprimir o estatuto de sazonal, que ela julga inumano, principalmente porque interdita o reagrupamento familiar. Mas sua iniciativa intitulada “Ser Solidários” é rejeitada em 1981 por quase 84% dos votos. Será preciso esperar até 2002 e a entrada em vigor do acordo de livre circulação entre a Suíça e a UE para que desapareça a permissão sazonal. Em 1985, 1993 e 1995, os suíços ainda rejeitaram três iniciativas visando diretamente a limitar a imigração. 

Liberalismo e fronteiras

Defender a economia e querer limitar a imigração – que a economia justamente precisa: a política da direita conservadora não é contraditória? Não para o deputado federal SVP Yves Nidegger, que lembra que “entre os adeptos da economia liberal, sempre teve duas direitas nesse país: uma que gosta dos agricultores e as fronteiras e outra que gosta da indústria de exportação e não das fronteiras. Há 100 anos elas estão no limite da ruptura, quando se fala de fronteiras, mas elas se entendem muito bem quando se trata de conter a sovietização do direito suíço defendida pela esquerda. Portanto, pode-se perfeitamente ser adepto do liberalismo e gostar das fronteiras.

Quanto ao sucesso da iniciativa do 9 de fevereiro de 2014, o deputado o explica pelo fato que “os outros foram votados na época dos contingentes. Enquanto em 2014, estamos em regime de livre circulação e as pessoas viam algo que nunca tinham visto antes. Com os contingentes, as pessoas vinham para trabalhar. Agora, elas vêm com suas famílias e isso é o dobro de gente”.

Aqui termina o infobox

 Entreabertura

“Pode-se dizer que nesse período nenhuma iniciativa realmente restritiva foi rejeitada”, resume Etienne Piguet. Mas, simultaneamente, nenhuma iniciativa pró imigrante também não foi aceita. Queríamos a imigração, recrutamos em grande parte por motivos econômicos, mas, ao mesmo tempo, quiseram fechar. É por isso que falo de entreabertura”.

Para Sandro Cattacin, se a Suíça das cidades parece hoje em maioria viver bem com a imigração, resta uma parte da população que ainda cultiva o reflexo do fechamento. Mas ele evoluiu ao longo das décadas. “O discurso xenófobo dos anos 60-70 não surte resultado, como hoje sobre as culturas, mas sobre a manutenção do que faz a beleza do país. Schwarzenbach era um romântico, um verde, muito orientado natureza. Em sua época, a Suíça tinha construções aceleradas, um pouco como atualmente nos países do Leste Europeu. E quando vai muito rápido, cria problemas de orientação nas pessoas que despertam reflexos conservadores”.

Uma primeira

Então como explicar o voto de 9 de fevereiro de 2014? Naquele dia, os suíços aceitaram (bem apertado) a iniciativa do SVP (direita conservadora) “contra a imigração em massa”. Ela prescreve de introduzir as cotas de imigração, em desprezo da libre circulação.

“É um caso interessante”, analisa Sandro Cattacin. “Porque a maioria das iniciativas precedentes, que eram abertamente xenófobas, tiveram mais ou menos o mesmo resultado: 60-40 em favor do não. Mas, grosso modo, há 20% do eleitorado disposto a votar pela xenofobia, se isso não afeta seu bem-estar nem seu bolso. Vimos isso com a interdição dos minaretes nas mesquitas e veremos a mesma coisa com a interdição da burca”.

“Em contrapartida, a iniciativa do 9 de fevereiro tem consequências econômicas importantes e ela conseguiu atrair uma parte desses 20%”, prossegue o sociólogo. “Isso vem de uma confusão na cabeça das pessoas, que não sabiam muito bem no que votavam realmente. Vimos, por exemplo, os Verdes do Ticino (sul) apoiarem a iniciativa, animados por um reflexo ecológico antieuropeu. Isso bastou para aprovar a iniciativa e criar esses problemas, que agora não sabemos como resolver”.». 

Campeã do mundo da imigração

Durantes os últimos 60 anos, estima-se em mais de 6 milhões o número de imigrantes que entraram na Suíça. Muitos voltaram, mas a Suíça teve, proporcionalmente à sua área, uma imigração durável amplamente superior à da maioria dos países do mundo. No final de 2014, a Suíça tinha quase 2 milhões de estrangeiros, sobre um total de 8,2 milhões de habitantes.

A maioria da população estrangeira residente na Suíça é de origem europeia, composta em particular de cidadãos italianos (15,3%), alemães (14,9%), portugueses (13,1%) e franceses (5,8%), conforme dados de 214 da Divisão Federal de Estatística.

Mais da metade dos europeus que emigraram para a Suíça foi devido à livre circulação das pessoas têm formação superior. Mas muitos deles têm empregos menos qualificados com na construção, o turismo ou a saúde.

Com exceção de casos muito particulares como as monarquias do petróleo do Golfo Pérsico, pequenos países de acolho massivo de refugiados (Jordânia, Líbano), de cidades-Estado como Cingapura ou Luxemburgo, a Suíça, segundo dados da OCDE, está em primeiro lugar dos países de imigração, como 16,5 entradas por ano por mil habitantes.

 (Fonte: “Imigração e integração na Suíça desde 1945: as grandes tendências”, Etienne Piguet, Universidade de Neuchâtel / Divisão Federal de Estatística)

Aqui termina o infobox


Adaptação: Claudinê Gonçalves, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.