Navigation

Exército toma medidas contra extremismo de direita na caserna

Em princípio todos os homens suíços devem servir as forças armadas a partir dos 18 anos de idade; mulheres podem se alistar voluntariamente. Keystone

O exército suíço desarmou ou suspendeu um punhado de seus membros ligados ao extremismo de direita. No ano passado, o exército já havia investigado 49 pessoas no total.

Este conteúdo foi publicado em 24. abril 2018 - 10:42
SDA/ATS

Em 2017, o exército suíço checou 42 relatos relacionados com o extremismo de direita entre seus membros. Nove pessoas foram obrigadas a se submeter a medidas de precaução, como verificações de segurança, suspensão ou a entrega de suas armas.

Os números são um pouco maiores do que a média dos últimos cinco anos. Cerca de dois terços dos relatos de extremismo do ano passado tiveram a ver com o extremismo de direita, anunciou o Ministério da Defesa na segunda-feira. No total, houve 21 relatos desse tipo.

Houve oito relatos de extremismo motivado pela jihad (guerra santa muçulmana), cerca de metade do que no ano anterior. Dez tinham a ver com extremismo não violento, e outros três eram de extremismo étnico-nacionalista.

Os recrutas podem ser excluídos do exército suíço se forem considerados capazes de violência. As investigações são realizadas por uma unidade militar especializada em “extremismo no exército”.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.