Navigation

Suíça ganha lugar de destaque para estudantes e trabalhadores estrangeiros qualificados

A Suíça é um dos locais mais atraentes para trabalhadores estrangeiros altamente qualificados, de acordo com um estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Este conteúdo foi publicado em 03. junho 2019 - 07:45
A Suíça foi classificada como o destino mais atraente para estudantes estrangeiros Keystone

Em um ranking de 35 países, a Suíça vem em terceiro lugar, atrás da Austrália e da Suécia, como um destino atraente para trabalhadores qualificados com mestrado ou doutorado.

Esta é uma das constatações dos Indicadores de Atratividade de Talentos da OCDELink externo, que analisam como os países comparam a atratividade para três grupos-chave de imigrantes potenciais: trabalhadores altamente qualificados, empreendedores e estudantes internacionais.

O ranking analisa a qualidade das oportunidades; salários, impostos, perspectivas de carreira, ambiente familiar, ambiente profissional, inclusão e qualidade de vida. Ele também leva em conta a dificuldade para os imigrantes obterem um visto ou permissão de residência.

De acordo com os pesquisadores, o fato da Suíça, onde o alemão é o idioma mais falado, estar melhor classificada que outros países de língua alemã, é devido à sua “cultura de acolho”, bem como salários mais altos e impostos mais baixos.

A Alemanha vem em 12º no ranking, enquanto a Áustria chega em 17º. Outros países vizinhos, França e Itália, estão em 22° e 31°, respectivamente, enquanto Grécia, México e Turquia ficaram no último lugar do ranking.

Ideal para estudantes

A Suíça também ficou em terceiro lugar no ranking da OCDE dos melhores locais para empreendedores, atrás do Canadá e da Nova Zelândia. O bom desempenho desses países reflete os requisitos relativamente baixos de investimento mínimo e criação de empregos nesses países, de acordo com os pesquisadores.

E como um destino atraente para os estudantes estrangeiros, a OCDE coloca a Suíça no topo. O segundo, terceiro e quarto lugar neste ranking vão para a Noruega, Alemanha e Finlândia.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.