Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Relações Suíça-UE Representante europeu em Berna adverte contra protecionismo

O embaixador da União Europeia na Suíça, Michael Matthiessen, destaca os benefícios para a Suíça que trariam relações mais estreitas com a UE, mas ele diplomaticamente adverte contra medidas que discriminam as empresas europeias.

Michael Matthiessen, embaixador da UE na Suíça 

O dinamarquês Michael Matthiessen foi responsável pelo projeto Diálogo UE-Ásia antes de assumir seu posto em Berna.

(Andreas von Gunten © Délégation de l’UE, Berne)

swissinfo.ch falou com Matthiessen na véspera do Congresso anual dos Suíços no Estrangeiro. O tema deste ano é "Suíça sem Europa - Europa sem a Suíça".

Desde 2014, Berna e Bruxelas vêm negociando um acordo global institucional entre si. O seu objetivo é reorganizar os acordos bilaterais selecionados - em especial os acordos relativos ao acesso ao mercado único. Mas o procedimento suscitou várias questões, por exemplo, relativas à interpretação e aplicação corretas, à adaptação à alteração do direito da UE, e à resolução de litígios.

swissinfo.ch: Por que precisamos desse famoso acordo geral institucional?

Michael Matthiessen: Mesmo sem ser membro da UE ou do EEE (Espaço Económico Europeu), a Suíça tem acesso ao mercado único da UE, o maior mercado do mundo, graças aos acordos bilaterais. Isso permite que as empresas suíças se integrem às cadeias de produção da indústria européia e, por exemplo, façam mais negócios com o estado alemão de Baden-Württemberg do que com a China, e ainda mais com o norte da Itália do que com o Japão!

Mas um mercado único é muito mais do que uma área de livre comércio. Implica uma base jurídica coerente e dinâmica. Isto não está previsto nos acordos UE-Suíça existentes, uma vez que estes foram originalmente concebidos como uma solução transitória com vista a uma eventual adesão. Uma vez que a Suíça não se juntará à UE ou ao EEE, mas ao mesmo tempo gostaria de ampliar o acesso ao mercado interno, por exemplo, no setor elétrico, chegou a hora de consolidar nossos acordos por meio de uma estrutura institucional. Isto é para que os operadores económicos de ambos os lados possam agir num sistema de igualdade de oportunidades e segurança jurídica. E também para que possamos subsequentemente desenvolver nossos relacionamentos em novas áreas.

swissinfo.ch: Mas a UE consegue entender que a livre circulação de pessoas pode ser questionada na Suíça, dada a elevada taxa de imigrantes e trabalhadores transfronteiriços europeus no país?

M.M.: A mobilidade das pessoas é um dos fundamentos dos acordos bilaterais entre a Suíça e a UE. Não se deve esquecer que, em geral, a livre circulação funciona muito bem e que tanto a UE como a Suíça se beneficiam muito dela. Não haveria aqui 1,4 milhão de cidadãos europeus se a economia suíça não precisasse dessa força de trabalho. Não haveria 300.000 trabalhadores transfronteiriços se não houvesse necessidade deles.

Gostaria também de salientar que a livre circulação permite a mobilidade em ambos os sentidos. Os suíços também podem trabalhar em países vizinhos, podem estudar ou fazer pesquisas por meio de programas europeus, como o Horizonte 2020, e podem atravessar fronteiras sem impedimentos, uma vez que a Suíça é um membro do Acordo de Schengen. Proporcionalmente, há mais suíços na UE do que cidadãos da UE na Suíça: 470.000 suíços vivem na UE, de uma população de 8,3 milhões, em comparação com 1,4 milhão de europeus na Suíça, de uma população de 512 milhões.

swissinfo.ch: A UE reclama de medidas de acompanhamento, como a regra dos oito dias, que exige que as empresas europeias anunciem com uma semana de antecedência o envio de missões à Suíça e paguem um depósito. A Suíça não tem legitimidade para se defender contra o dumping salarial? 

M.M.: A UE não quer impedir que a Suíça se defenda contra a pressão sobre os salários. A UE partilha o princípio da igualdade de remuneração pelo mesmo trabalho no mesmo local e adotou ela própria regras para evitar o dumping salarial e social. O problema é que algumas medidas suíças discriminam empresas vindas da UE e, na verdade, parecem protecionismo.

swissinfo.ch: A direita nacionalista suíça é ferozmente contrária a este acordo geral. Para essas pessoas, o acordo representa uma ameaça à soberania, assim como a morte da democracia direta.

M.M.: Eu não acho que o acordo geral tornará a Suíça menos independente. Constato que o ministro do Exterior, Ignazio Cassis, e o secretário de Estado, Roberto Balzaretti, fazem grandes esforços para explicar a importância das relações entre a Suíça e a UE e a necessidade de dar uma base estável aos acordos que dão à Suíça acesso ao mercado interno da UE.

Mas não cabe a nós, a UE, julgar se tal acordo é do interesse da Suíça ou negociar com partidos políticos suíços ou com o povo suíço.


Adaptação: Eduardo Simantob

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.