Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, posa com crianças durante cerimônia no Palácio Presidencial em Ancara. 23/04/2017 Murat Cetinmuhurdar/Divulgação via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Gabriela Baczynska

BRUXELAS (Reuters) - Parlamentares de um importante organismo de direitos humanos europeu colocaram a Turquia em uma lista de monitoramento nesta terça-feira, citando preocupações com o que veem como o sufocamento da dissidência e violações de direitos humanos sob o comando do presidente turco, Tayyip Erdogan, à medida que este concentra o poder em suas mãos.

A votação que iniciou o procedimento formal contra Ancara resultou em 113 votos favoráveis e 45 contrários na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa. Separado da União Europeia, o conselho é um organismo de direitos humanos do qual a Turquia é membro.

A decisão pode ter um efeito colateral nas conversas sobre a filiação da Turquia à UE. Estas negociações progrediram muito pouco ao longo da última década, e mais nuvens negras se acumularam devido à operação de repressão supervisionada por Erdogan em reação a um golpe militar fracassado em julho passado.

Os laços entre a UE e Ancara se deterioraram ainda mais por conta de um referendo realizado na Turquia no início deste mês que concedeu mais poderes a Erdogan. Durante a campanha, ele acusou a Alemanha e a Holanda, países-membros da UE, de agirem como nazistas.

Parlamentares do bloco irão debater separadamente a relação com a Turquia na quarta-feira. Os ministros das Relações Exteriores da união irão abordar a situação na sexta-feira, e líderes da UE também devem trocar opiniões quando se reunirem para tratar da desfiliação britânica do bloco no sábado.

Embora a Áustria tenha liderado a iniciativa de pedir o encerramento formal das tratativas sobre o ingresso turco à UE, alguns outros integrantes do bloco estão sendo mais cautelosos devido ao temor de alienar ainda mais o país-membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), do qual a UE também depende para conter a imigração.

De todas as nações integrantes do Conselho da Europa, a Turquia foi a que teve mais casos apresentados à Corte Europeia de Direitos Humanos, e a maioria dos veredictos apontou para a ocorrência de violações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters