Por Praveen Menon e Tom Lasseter

CHRISTCHURCH/WELLINGTON (Reuters) - Em meio aos esforços dos neozelandeses para lidar com o massacre em Christchurch, surgem histórias de heroísmo, como a do homem que enfrentou o atirador armado apenas com uma máquina de cartão de crédito.

O ataque de sexta-feira deixou 50 mortos e dezenas de feridos.

Brenton Tarrant, de 28 anos, foi acusado pelas mortes no ataque, e segundo a polícia terá que responder por outros crimes.

Mas, segundo a polícia e testemunhas, o segundo ataque do atirador foi parcialmente impedido por Abdul Aziz, de 48 anos e nascido no Afeganistão.

Aziz disse ter avançado contra o atirador do lado de fora da mesquita de Linwood, quando alguém gritou que um homem havia aberto fogo. O atirador já havia assassinado dezenas de pessoas na mesquita próxima de Al Noor e nas ruas.

“Ele tinha roupas militares. Eu não tinha certeza se ele era o cara do bem ou do mal. Quando ele me xingou, soube que não era do bem”, disse Aziz em entrevista à Reuters.

Quando Aziz percebeu que a mesquita estava sendo atacada, correu em direção ao atirador, usando uma máquina de cartão como arma improvisada.

O atirador correu para seu carro e pegou outra arma. Aziz disse que jogou a máquina de cartão e se abaixou entre os carros enquanto o homem abria fogo.

Ele pegou então uma arma derrubada pelo atirador e puxou o gatilho, mas estava sem munição: “Eu gritava para o cara, vem aqui, vem até aqui -- eu só queria chamar a atenção dele para mim”.

Aziz disse que o atirador entrou na mesquita, e ele o seguiu, eventualmente confrontando o agressor mais uma vez.

“Quando ele me viu com a espingarda nas mãos, ele largou a arma e correu em direção a seu carro. Eu o persegui”, disse.

“Ele sentou no carro e, com a espingarda nas mãos, joguei ela pela janela como uma flecha. Ele só me xingou e partiu.”

Aziz disse que quatro de seus filhos estavam com ele na mesquita no momento do ataque.

"Quando voltei para a mesquita, pude ver que todo mundo estava com muito medo e tentando se proteger", disse Aziz. "Eu disse a eles: 'Irmãos, vocês estão a salvo agora, levantem-se, ele foi embora. Ele acabou de fugir. E depois disso todo mundo começou a chorar".

O ataque foi o pior assassinato em massa em tempos de paz da Nova Zelândia. O atirador foi preso 36 minutos depois do início do atentado, e no sábado foi denunciado por homicídio.

O número de mortos ainda pode aumentar devido ao estado grave de alguns feridos, e famílias ainda estão à espera de enterrar seus entes queridos.

(Reportagem adicional de John Mair em Wellington e James Mackenzie em Islamabad)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.