Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um iceberg derrete nas redondezas da cidade de Narsarsuaq, no sul da Groelândia. 26/06/2009 REUTERS/Bob Strong

(reuters_tickers)

Por Alister Doyle

OSLO (Reuters) - A aceleração do degelo do Ártico está derretendo o subsolo congelado sob edifícios e estradas da Sibéria ao Alasca, elevando os níveis dos mares globais e alterando os padrões de temperatura mais ao sul, revelou um estudo internacional nesta terça-feira.

O fato de a região gelada estar se tornando mais quente e úmida, o que resulta no derretimento do gelo ao seu redor, pode custar trilhões de dólares à economia mundial neste século, estimou o relatório.

O estudo de 90 cientistas, incluindo especialistas dos Estados Unidos, exortou governos com interesse no Ártico a cortar as emissões de gases de efeito estufa.

"O Ártico está esquentando mais rápido do que qualquer outra região da Terra, e se tornando um meio ambiente mais quente, úmido e variável rapidamente", de acordo com o relatório, que atualiza descobertas científicas de 2011.

"As emissões crescentes de gases de efeito estufa (resultantes) de atividades humanas são a principal causa subjacente", escreveram no estudo encomendado pelo Conselho do Ártico, composto por EUA, Rússia, Canadá, Suécia, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Islândia.

O degelo do Ártico pode ter custos líquidos cumulativos entre 7 trilhões e 90 trilhões dólares entre 2010 e 2100, e os danos irão exceder os benefícios, como um acesso mais fácil à exploração de petróleo e gás e ao comércio marítimo, diz o documento.

O período 2011-2015 foi o mais quente desde que os registros começaram a ser feitos em 1900. O gelo marítimo no Oceano Ártico, que encolheu a seu menor índice em 2012, pode desaparecer durante os verões até a década de 2030, mais cedo do que muitas projeções anteriores indicavam, segundo o estudo.

"O Ártico está continuando a derreter, e está indo mais rápido do que se esperava em 2011", disse Lars-Otto Reiersen, diretor do Programa de Monitoramento e Avaliação do Ártico (Amap, na sigla em inglês), que preparou o relatório, à Reuters.

Entre os sinais de perigo, o derretimento do subsolo permanentemente congelado provocou mais deslizamentos de terra no campo de gás russo de Bovanenkovo, na Sibéria. Um calor raro e enchentes de primavera interditaram a rodovia que leva aos campos de petróleo de North Slope, no Alasca, durante três semanas em 2015.

A elevação das temperaturas está ameaçando a subsistência de caçadores indígenas e afinando o gelo marítimo, vital para espécies selvagens como ursos polares e focas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters