Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BERLIM (Reuters) - A Adidas espera um grande aumento de vendas de camisas de futebol por causa da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, com a ajuda do seu patrocínio a três das principais seleções, afirmou o executivo chefe da empresa de material esportivo alemã, neste sábado.

"No futebol, somos o líder isolado do mercado mundial e estamos patrocinando 11 equipes da Copa do Mundo do ano que vem", disse Kasper Rosted, ao jornal Rheinische Post, em uma entrevista.

"No geral, eu espero um grande aumento na venda de camisas da Adidas em 2018 por causa da Copa do Mundo. Eu espero que nossas equipes cheguem o mais longe possível. Afinal, estamos vestindo três dos favoritos: Alemanha, Espanha e Argentina."

A Adidas é a patrocinadora oficial da Copa do Mundo e, há bastante tempo, tem sido a principal fornecedora de camisas de futebol, chuteiras e bolas.

Mas na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, a arquirrival Nike patrocinou mais times pela primeira vez, inclusive os anfitriões.

Desde então, a Adidas conseguiu uma grande virada, controlando uma parte do mercado da Nike nos Estados Unidos e renovando seu negócio no futebol. Está de volta à liderança no número de times patrocinados na Copa do Mundo, inclusive a anfitriã Rússia.

As principais equipes da Nike na Copa do Mundo incluem a França e o Brasil, que também são favoritos ao título ao lado da Alemanha, enquanto a Puma tem apenas duas seleções no torneio: Uruguai e Suíça, depois de ter patrocinado oito em 2014.

Rosted disse que a Adidas não deveria se preocupar tanto com a Nike.

"Não estamos em um jogo de tênis entre dois jogadores, no qual apenas um pode ser vitorioso. Estamos nos concentrando nos nossos negócios e sempre melhorando. Não faz sentido declarar que nosso principal objetivo é vencer a Nike", disse.

(Por Emma Thomasson)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters