Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LONDRES (Reuters) - Uma adolescente de 15 anos compareceu a um tribunal britânico nesta quarta-feira sob acusação de ter assassinado uma menina de 7 anos na cidade de York, norte da Inglaterra, em um caso que abalou o país e gerou comoção até mesmo no Parlamento. 

A suspeita, que não pode ter seu nome revelado por ser menor de idade, é acusada de assassinato e posse de arma letal, de acordo com a polícia.

Segundo a polícia, o nome da vítima é Katie Rough, e uma foto de uma garota sorridente vestida com uniforme escolar azul, batendo palmas, foi divulgada pelas autoridades.

Depois de uma audiência de apenas oito minutos na Corte de Magistrados de York, na qual ela não falou, a acusada voltou para custódia de autoridades em um local seguro, de acordo com a imprensa local. Ela deve aparecer na sexta-feira perante a Corte da Coroa de Leeds, que lida com crimes graves. 

Autoridades foram chamadas na tarde de segunda-feira para atender a uma emergência em Woodthorpe, região de York, e disseram ter encontrado Katie com ferimentos graves. Ela foi levada para um hospital, mas morreu pouco depois de chegar.

A imprensa local relatou que ela foi achada em uma trilha que leva a um campo plano, e publicou fotos de uma parte da floresta repleta de tendas brancas da polícia forense e um cordão policial. 

As notícias relatam que flores e cartões foram colocados perto do campo e imagens de televisão mostraram moradores no local.

No Parlamento, onde a primeira-ministra Theresa May participava de uma sessão semanal de perguntas, o líder da oposição, Jeremy Corbyn, expressou condolências à família de Katie. 

May respondeu: “Me junto (a Corbyn) para expressar condolências à família e amigos da pequena Katie, que morreu tão tragicamente”.

É incomum que qualquer comentário seja feito no Parlamento sobre um caso criminal antes do julgamento.

(Por Estelle Shirbon)

Reuters