Reuters internacional

VIENA (Reuters) - A agência de refugiados da ONU pediu neste domingo que os países europeus ajudem a Itália a lidar com o cada vez maior fluxo de imigrantes após 2.500 terem sido resgatados no fim de semana e relatos de dezenas de desaparecidos no mar após terem deixado a Líbia.  

A guarda costeira líbia recuperou os corpos de oito imigrantes de um bote inflável encontrado a leste de Trípoli no sábado.

O temor é de que haja pelo menos 52 desaparecidos devido a dois incidentes envolvendo um grande número de pessoas em botes frágeis na costa da Líbia no sábado, disse a UNHCR.

A guarda costeira italiana coordenou mais de uma dúzia de esforços de busca e resgate para salvar vidas.

A UNHCR pediu que outros países ajudem.

“As soluções não podem estar apenas na Itália”, disse a UNHCR. “Novas medidas em ambos os lados do mar Mediterrâneo central são necessárias para combater seriamente o tráfico humano”.

A agência também pediu esforços renovados para ajudar refugiados e imigrantes nos países que atravessam antes de chegarem à Líbia, dizendo que as pessoas estão expostas a “horríveis explorações e abusos” nestes Estados.  

A Líbia é o ponto de partida mais comum para imigrantes que tentam chegar à Europa pelo mar, com o número de pessoas que tentam fazer a travessia aumentando significativamente a partir de 2014.

Reuters

 Reuters internacional