Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CAIRO (Reuters) - Um agressor armado com uma faca matou duas turistas alemãs e feriu quatro outros estrangeiros em um resort de praia egípcio do Mar Vermelho nesta sexta-feira, disseram autoridades e fontes locais.

O agressor nadou de uma praia pública próxima para ter acesso ao Hotel Zahabia, onde matou as duas alemãs e feriu duas outras pessoas antes de atacar mais duas no resort Sunny Days El Palacio de Hurghada, informaram fontes de segurança.

    Mais cedo fontes médicas e de segurança haviam relatado que as duas mulheres assassinadas eram ucranianas, mas o major-general Mohamed El-Hamzawi, administrador de segurança da província do Mar Vermelho, disse à Reuters que as duas vítimas foram identificadas como alemãs.

    Segundo o gerente de segurança do El Palacio, Saud Abdelaziz, dois dos feridos eram tchecos e dois armênios.

O Ministério do Interior disse que o agressor foi preso depois do ataque, mas o motivo ainda está sendo investigado.

O Egito está combatendo uma insurgência islâmica na Península do Sinai, onde esta visa principalmente forças de segurança, mas os militantes já atacaram pontos turísticos antes, além de cristãos coptas e igrejas.

    Os hotéis Zahabia e El Palacio de Hurghada, um dos resorts de verão mais populares do Egito e localizado cerca de 400 quilômetros ao sul da capital Cairo, têm praias particulares.

    Em janeiro de 2016, dois agressores munidos de uma arma de fogo, uma faca e um colete de explosivos entraram em uma praia de um hotel de Hurghada e feriram dois turistas estrangeiros.

    O ataque desta sexta-feira ocorreu no mesmo dia em que cinco policiais foram mortos por atiradores em uma moto que emboscaram seu carro ao sul do Cairo.

    (Por Mohamed Abdellah e Ahmed Tolba)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters