Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Dave Graham
BERLIM (Reuters) - O chefe da agência de fiscalização nuclear da ONU exortou o Irã na sexta-feira a aceitar até o final de 2009 uma oferta para processar seu urânio enriquecido no exterior, e aconselhou as potências ocidentais a não imporem mais sanções a Teerã.
Mohamed ElBaradei, diretor geral da Agência Internacional de Energia Atômica, disse que um plano mediado pela AIEA pelo qual o Irã enviaria urânio pouco enriquecido à Rússia e França para ser convertido em combustível para um reator médico de Teerã representa uma chance rara de dissipar a desconfiança em torno do programa nuclear iraniano.
"Espero definitivamente que cheguemos a um acordo até o final do ano," disse ele em coletiva de imprensa em Berlim. "Acredito, francamente, que a decisão agora cabe ao Irã. Espero que os iranianos não deixem passar essa oportunidade única, mas passageira."
ElBaradei, que vai se aposentar em 30 de novembro após 12 anos difíceis tentando impedir a proliferação da tecnologia de produção de armas nucleares, elogiou o papel exercido nas negociações com o Irã pelo presidente americano Barack Obama, dizendo que este iniciou "uma mudança total de política."
Observando que, sob Obama, os Estados Unidos adotaram uma abordagem "criativa e pragmática" para tentar resolver o impasse em torno do programa nuclear de Teerã, ElBaradei usou a coletiva de imprensa para enviar uma mensagem diretamente à liderança iraniana.
"Vocês precisam praticar a diplomacia criativa, precisam compreender que esta é a primeira vez que terão de um presidente americano um compromisso genuíno em dialogar plenamente com vocês, com base no respeito e sem condições prévias."
"Não percam essa oportunidade," disse ele ao Irã, que na quarta-feira rejeitou a proposta que ele redigiu de envio do combustível ao exterior.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters